Rádio Observador

Celebridades

Kevin Spacey. Polémicas, segredos e rumores do misterioso ator

Spacey foi acusado de assédio sexual de um menor. Pediu desculpa e aproveitou para admitir a homossexualidade, um rumor com que sempre lidou. Agora, os segredos na vida de Kevin Spacey acabaram.

Tim P. Whitby/Getty Images for Sony Pictures

“Honestamente, não quero que ninguém saiba nada sobre mim. Quanto mais tempo um ator permanecer na sombra, mais as personagens vão emergir.” A citação de Kevin Spacey denuncia o secretismo que sempre esteve associado ao ator de New Jesery. Ao longo dos anos muitos foram os rumores sobre a sua sexualidade. A notícia desta segunda-feira de manhã tem, por isso, potencial bombástico: depois de ter sido acusado de assédio sexual por um ator à data menor de idade — o episódio terá acontecido em 1986 –, Spacey partilhou um comunicado via Twitter a pedir desculpa pelo comportamento do qual não tem memória e onde assume a homossexualidade.

Esta história encorajou-me a falar sobre outras questões da minha vida. Sei que há histórias sobre mim por aí, algumas alimentadas pelo facto de ser tão cuidadoso com a minha privacidade. As pessoas mais próximas de mim sabem que, na minha vida, tive relacionamentos com homens e mulheres. Amei e tive relacionamentos românticos com homens, ao longo da minha vida, e agora escolho viver como um homem gay“, disse no comunicado publicado na rede social Twitter.

A reação de Spacey está a ser criticada na comunidade LGBT (Lésbica, Gay, Bissexual e Transgénero), escreve o The Washington Post, que acusa o ator de estar a desviar a atenção da acusação de assédio sexual a um menor, ao admitir publicamente a homossexualidade. Em causa está também a questão das duas mensagens estarem, de alguma forma, relacionadas.

Uma coisa é certa, ao longo da carreira foram vários os episódios que deixaram a imprensa atenta a quaisquer mexericos. Episódios como o de 2004, quando um ensanguentado e nervoso Spacey entrou numa esquadra de polícia em Londres, alegando que alguém lhe roubara o telemóvel. Isto às 04h30 de um sábado, num parque perto de Old Vic, o prestigiado teatro do qual o ator se tornara diretor artístico um ano antes (manteve o cargo até 2015). As circunstâncias tornaram-se ainda mais suspeitas quando o ator mudou a história, pelo menos duas vezes, e acabou por retirar qualquer queixa, admitindo, afinal, ter tropeçado na trela do cão que estava a passeava — não negou, porém, o assalto. Já antes uma revista norte-americana havia publicado fotografias de Spacey a andar de mãos dadas num parque com um homem mais novo.

O próprio ator já foi questionado, de forma até bastante direta, sobre a sua orientação sexual. Foi o que aconteceu numa entrevista ao Daily Beast: o assunto foi discutido, mas Spacey, tal qual um hábil Frank Underwood, nunca respondeu “sim” ou “não”. É, no entanto, sabido que foi à Playboy que chegou a negar a homossexualidade.

Um perfil do ator publicado no britânico The Guardian explica o que até ontem terá sido verdade: amigos de longa data e colegas de profissão sempre alegaram ignorância absoluta sobre a sua sexualidade, insistindo que os assuntos do coração não surgiam, pura e simplesmente, em conversa. Durante muito tempo, as revistas andaram em jogos de adivinhação. A ausência de uma mulher ou de namoradas oficiais ajudou à especulação, bem como o facto de ter levado a mãe à cerimónia dos Óscares, enquanto acompanhante, das duas vezes que esteve nomeado. A relação com a mãe era tão próxima que Spacey escolheu o seu nome de solteira para nome profissional. Já a relação com o pai austero e antiquado, Thomas Fowler, era problemática. Escreve o Daily Mail que o pai não permitia que se visse televisão em casa e que foi quem enviou Spacey para a academia militar, onde ele viria a descobrir o talento para a representação.

Pascal Le Segretain/Getty Images

Kevin Spacey sempre quis ser ator. Segundo Sarah St. George, uma amiga de longa data do ator, citada pelo The Guardian, Spacey ia frequentemente a audições, apesar de ter demorado a chegar ao patamar em que está hoje. O não tão rápido sucesso foi motivo de algum desalento e de bolsos pouco fundos. São conhecidas as dificuldades financeiras que enfrentou no início da vida adulta. “Eventualmente ele deixou Nova Iorque e foi para a costa oeste. Nunca pensei que ele se tornasse num ator tão famoso e tão bom. Ele era muito discreto e modesto. Eu não sabia nada sobre a sua vida privada. Ele era profissional e um pouco solitário quando o conheci.”

A carreira começou nos palcos, na década de 1980, mas foram filmes como “Sucesso a Qualquer Preço”, de 1992, que começaram a dar a Spacey a atenção que ele tanto queria. Três anos depois seguiram-se as performances em “Seven – 7 Pecados Mortais” e “Os Suspeitos do Costume” (pela qual ganhou o primeiro Óscar de Melhor Ator Secundário), que consolidaram a sua posição enquanto ator de personagens pesadas, obscuras e manipuladoras (Francis Underwood, da série “House of Cards” é mais um exemplo, recente, disso mesmo).

Robert Jones, produtor do filme “Os Suspeitos do Costume” chegou a recordar: “Ele era incrivelmente profissional e focado, mas também muito divertido e um imitador fantástico”. Um segundo Óscar haveria de chegar com a performance em “Beleza Americana”.

Segundo o The Sunday Times, Kevin Spacey tem uma fortuna estimada em 75 milhões de libras (85 milhões de euros). Apesar de o valor da sua riqueza são estar discriminado na Forbes, a publicação garante que Spacey foi a primeira celebridade da internet a ocupar um lugar na lista dos 100 famosos mais ricos. Tal deveu-se à série “House of Cards” que é creditada por mudar a indústria do entretenimento em geral.

Entretanto, o criador da série, Beau Willimon, disse num comunicado achar a história da acusação “muito perturbadora”. “Durante o tempo que trabalhei com Kevin Spacey na série ‘House of Cards’, nunca testemunhei ou me apercebi de qualquer comportamento inadequado dentro ou fora do set. Disto isto, levo muito a sério relatos de tal comportamento e este não é exceção.”

Esta segunda-feira, Kevin Spacey mudou aos olhos do mundo. Não por admitir o que há muito se comentava, mas porque foi mais uma estrela a ser apanhada no “efeito Weinstein”, ao ser acusado de assédio sexual de um menor.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: acmarques@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)