O primeiro-ministro irlandês exigiu, esta sexta-feira, garantias de Londres de que o ‘Brexit’ não vai traduzir-se numa fronteira rígida entre Irlandas para dar o seu acordo ao avanço das negociações de saída da UE para a chamada “fase dois”.

“Há 18 meses que Londres nos vem assegurando que, como exigimos, não haverá uma fronteira física na Irlanda, não haverá infraestruturas físicas, mas queremos isso por escrito”, disse Leo Varadkar à chegada à cimeira europeia de Gotemburgo, depois de um encontro bilateral com a primeira-ministra britânica, Theresa May.

Varadkar disse que, sem uma tal garantia, a Irlanda não vai permitir que as negociações entre Londres e os 27 avancem para a chamada “fase dois”, sobre a futura relação comercial e o período de transição.

O primeiro-ministro irlandês comentou ainda que “por vezes” parece que o governo britânico “não pensou nisto tudo”.

Quando o Reino Unido sair da União Europeia, a Irlanda do Norte, território britânico, deixa de pertencer à UE e torna-se a única parte do Reino Unido a fazer fronteira com um Estado membro da União, a República da Irlanda.

A gestão dessa fronteira é uma das questões mais sensíveis e Londres tem assegurado a Dublin a importância de evitar uma fronteira rígida (“hard border”), como as outras fronteiras externas da UE.

A fronteira é uma das três grandes questões que estão a ser negociadas na primeira fase, juntamente com os direitos dos cidadãos europeus a residir no Reino Unido e dos britânicos a residir noutros Estados membros e as obrigações financeiras do Reino Unido para com Bruxelas.