Vinho

Há quatro vinhos portugueses no top 100 da Wine Spectator. Um deles é de Lisboa

1.123

Já não temos os vinhos mais baratos da lista, mas um deles está disponível por 6,49 euros e é de Lisboa. À exceção desta região, que tem vindo a somar protagonismo, há mais três referências do Douro.

As duas regiões portuguesas em destaque na lista são Douro e Lisboa.

Getty Images/iStockphoto

Seria difícil bater a proeza de 2014, quando um vinho português foi considerado o melhor do mundo pela prestigiada publicação Wine Spectator. Culpe-se a colheita de 2011 — último ano declarado vintage — que ajudou a pôr três Portos no pódio. Em 2017 a conversa é diferente: há quatro vinhos portugueses na lista dos 100 melhores do mundo e o primeiro surge na posição 50. Ao contrário do que aconteceu nos últimos dois anos, já não temos o vinho mais barato, apesar de um deles ser, muito provavelmente, o mais acessível para o consumidor português. E, surpresa, é de Lisboa.

O primeiro vinho nacional a surgir na lista, na posição 50, é o Quinta das Carvalhas Touriga Nacional 2014 (32,50€), avaliado em 90 pontos. O rótulo pertence à duriense Real Companhia Velha que, a julgar pelos últimos dois anos, começa a habituar-se à presença na tão aguardada lista.

Segue-se o tinto Colossal Reserva da Casa Santos Lima, empresa familiar da região de Lisboa, relançada no final da década de 90 e uma das maiores produtoras em todo o mundo (por ano, produz cerca de 15 milhões de garrafas, sendo que exporta 90% da produção para 50 países em cinco continentes). O vinho regional Lisboa é feito a partir das castas Syrah, Touriga Nacional, Alicante Bouschet e Tinta Roriz e custa 6,49€.

O Vintage Guimaraens 2015, da Fonseca, ocupa a posição número 88 e soma 93 pontos. O Vintage de quinta (e não clássico) foi lançado este ano e está à venda por 55€. Já na 98º posição está o tinto Douro Chryseia 2014 da Prats & Symington, com 94 pontos, que pode chegar aos 70€.

Também em 2016 tivemos quatro vinhos na lista, com o primeiro a ocupar a posição 46 e o último a ficar na 80º, sendo que as pontuações não mudaram muito de um ano para o outro. Já em 2015, os resultados foram mais favoráveis para os vinhos portugueses, com cinco rótulos a figurarem na lista (quatro deles acima dos 90 pontos), mas foi em 2014, com um total de seis vinhos, três deles no top 5, que se excederam todas as expetativas.

A lista que nasceu em 1988 viu as primeiras referências portuguesas aparecerem em 1994, com os Portos Vintage da colheita de 1991 — das marcas Croft, Taylor Fladgate Quinta de Vargellas, Fonseca Guimaraes e Graham — em destaque.

A lista da Wine Spectator reúne os melhores vinhos provados nos últimos 12 meses pela equipa desta publicação, que os avalia com base na qualidade, preço, disponibilidade e “excitamento”, o que poderá ser entendido enquanto fator de diferenciação.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: acmarques@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)