O melhor vinho do mundo é português. O terceiro e o quarto classificados também. Quem o diz é a revista especializada Wine Spectator, a mais conceituada do setor. No top 100 estão ainda mais três vinhos com marca nacional.

O Dow’s Porto Vintage 2011 recebeu, assim, o rótulo de melhor vinho do mundo do ano de 2014. “Poderoso, refinado e delicioso, com sabores combinados de ameixa, cereja e cassis, que lhe dão um corpo denso e duradouro”, pode ler-se na nota de prova, escrita pelo especialista Kim Marcus. O vinho fino do Douro conseguiu a melhor classificação – 99 pontos em 100 – e nem sequer é o mais caro da lista: cada garrafa custa 82 dólares (65, 82 euros). Foram produzidas apenas 5 mil caixas com 12 garrafas cada uma.

Com dois lugares no pódio, mais quatro lugares no top 100, Portugal teve a melhor prestação de sempre, de acordo com a própria revista. Além do Dow’s Porto Vintage 2011, o Douro é também representado pelo Chryseia e pelo Quinta do Vale Meão, terceiro e quarto classificados, respetivamente.

O vinho Chryseia, colheita de 2011, do qual só foram produzidas 2400 caixas com 12 garrafas cada uma, é descrito como “um elegante e monolítico tinto, puro e poderoso, com toques de exuberância de ameixa vermelha, framboesa e groselha preta”. Custa 55 dólares (44,15 euros).

Também de 2011, o tinto Quinta do Vale do Meão, o quarto classificado e o último português no top 10 dos melhores vinhos do mundo, custa 75 dólares (60,20 euros). Do “exuberante e sedutor tinto, cheio até ao topo com uma variedade de sabores a frutas e a kirsch”, foram produzidas apenas 2.300 caixas.