IPSS

Raríssimas. Paula Brito e Costa saiu da Casa dos Marcos ao lado do marido disfarçado (veja as fotos)

1.334

A presidente demissionária já saiu da Casa dos Marcos, ao lado do marido, completamente disfarçado. Cerca de 50 funcionários da Raríssimas estavam concentrados à porta das instalações em protesto.

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

A ex-presidente da Raríssimas, Paula Brito e Costa, já saiu da Casa dos Marcos. Deixou o edifício da Associação que acolhe pessoas com doenças raras, na Moita, ao volante de um Mercedes cinzento (o seu carro pessoal, segundo disse na entrevista à RTP), ao lado daquele que se pensa ser o marido, que estava completamente disfarçado: envergava um blusão branco comprido, com a gola levantada até ao nariz e com o capuz na cabeça que deixava ver apenas os olhos. Paulo Brito e Costa não fez declarações aos jornalistas. Apenas sorriu e acenou com a mão.

Antes da saída, houve algumas manobras para distrair os vários jornalistas presentes no local, nomeadamente através da troca dos carros usados. À entrada, foi colocado um Volvo preto durante algum tempo no qual entrou um dos seguranças que acompanhavam a ex-presidente. Paula Brito e Costa acabou por sair ao volante do Mercedes cinzento. No carro, um segurança colocou uma caixa de cartão grande e uma mala de computador.

Paula Brito e Costa tinha voltado esta manhã à Raríssimas, na Moita. De acordo com a TVI 24, a demissionária presidente da instituição chegou à Casa dos Marcos acompanhada do marido e de dois seguranças. Passou o dia no local (não foi vista a sair para almoçar, ao contrário dos inspetores da Segurança Social encarregues da investigação à alegada gestão danosa), e terá saído com várias malas, que foram transportadas pelos seguranças.

Cerca de cinquenta funcionários da Raríssimas reuniram-se de imediato à porta das instalações da associação, em protesto com a presença de Paula Brito e Costa e do marido. Em declarações à RTP, um dos funcionários explicou que “esta situação é inadmissível porque com toda esta calamidade a acontecer esperaríamos que a ex-presidente da Raríssimas não comparecesse nas instalações”.

O membro do Gabinete de Comunicação da Raríssimas clarificou que “enquanto [Paula Brito e Costa] aqui estiver, não vão trabalhar, mas claro que assegurando os serviços mínimos porque os utentes não têm culpa e porque tanto o lar como a unidade de cuidados continuados não podem parar”.

Ainda assim, outra funcionária afirmou que estando “chocados com esta situação”, sabem que “até prova em contrário” são “todos inocentes e tudo depende das investigações”.

Paula Brito e Costa demitiu-se do cargo de presidente da Raríssimas na passada semana acusada de gestão danosa mas mantém-se como diretora-geral da associação. Os trabalhadores elaboraram um abaixo-assinado que pede o afastamento da antiga presidente desta posição, mas Paula Brito e Costa declarou, em entrevista ao Expresso, que só sai com uma indemnização.

A Raríssimas marcou uma assembleia-geral para dia 3 de janeiro, que tem como objetivo eleger os elementos dos órgãos sociais que estão em falta.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Corrupção

Traição à pátria

Paulo de Almeida Sande

Quando nos perguntamos por que razão Portugal se arrasta na cauda da Europa parte da resposta é o BES, os Vistos Gold, o Face Oculta, o BPN, a PT, a operação Marquês, a Moderna, o Freeport, etc., etc.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site