Rádio Observador

IPSS

Raríssimas. Paula Brito e Costa saiu da Casa dos Marcos ao lado do marido disfarçado (veja as fotos)

1.334

A presidente demissionária já saiu da Casa dos Marcos, ao lado do marido, completamente disfarçado. Cerca de 50 funcionários da Raríssimas estavam concentrados à porta das instalações em protesto.

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

A ex-presidente da Raríssimas, Paula Brito e Costa, já saiu da Casa dos Marcos. Deixou o edifício da Associação que acolhe pessoas com doenças raras, na Moita, ao volante de um Mercedes cinzento (o seu carro pessoal, segundo disse na entrevista à RTP), ao lado daquele que se pensa ser o marido, que estava completamente disfarçado: envergava um blusão branco comprido, com a gola levantada até ao nariz e com o capuz na cabeça que deixava ver apenas os olhos. Paulo Brito e Costa não fez declarações aos jornalistas. Apenas sorriu e acenou com a mão.

Antes da saída, houve algumas manobras para distrair os vários jornalistas presentes no local, nomeadamente através da troca dos carros usados. À entrada, foi colocado um Volvo preto durante algum tempo no qual entrou um dos seguranças que acompanhavam a ex-presidente. Paula Brito e Costa acabou por sair ao volante do Mercedes cinzento. No carro, um segurança colocou uma caixa de cartão grande e uma mala de computador.

Paula Brito e Costa tinha voltado esta manhã à Raríssimas, na Moita. De acordo com a TVI 24, a demissionária presidente da instituição chegou à Casa dos Marcos acompanhada do marido e de dois seguranças. Passou o dia no local (não foi vista a sair para almoçar, ao contrário dos inspetores da Segurança Social encarregues da investigação à alegada gestão danosa), e terá saído com várias malas, que foram transportadas pelos seguranças.

Cerca de cinquenta funcionários da Raríssimas reuniram-se de imediato à porta das instalações da associação, em protesto com a presença de Paula Brito e Costa e do marido. Em declarações à RTP, um dos funcionários explicou que “esta situação é inadmissível porque com toda esta calamidade a acontecer esperaríamos que a ex-presidente da Raríssimas não comparecesse nas instalações”.

O membro do Gabinete de Comunicação da Raríssimas clarificou que “enquanto [Paula Brito e Costa] aqui estiver, não vão trabalhar, mas claro que assegurando os serviços mínimos porque os utentes não têm culpa e porque tanto o lar como a unidade de cuidados continuados não podem parar”.

Ainda assim, outra funcionária afirmou que estando “chocados com esta situação”, sabem que “até prova em contrário” são “todos inocentes e tudo depende das investigações”.

Paula Brito e Costa demitiu-se do cargo de presidente da Raríssimas na passada semana acusada de gestão danosa mas mantém-se como diretora-geral da associação. Os trabalhadores elaboraram um abaixo-assinado que pede o afastamento da antiga presidente desta posição, mas Paula Brito e Costa declarou, em entrevista ao Expresso, que só sai com uma indemnização.

A Raríssimas marcou uma assembleia-geral para dia 3 de janeiro, que tem como objetivo eleger os elementos dos órgãos sociais que estão em falta.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)