O general que liderou a intervenção militar para retirar Robert Mugabe do poder, depois de quase 40 anos ao leme do Zimbabué, foi nomeado um dos dois vice-presidentes do partido no poder, ZANU-PF, abrindo a porta à sua nomeação como vice-presidente do país em breve.

Constantino Chiwenga abandonou a liderança do Exército do Zimbabué há uma semana e deverá ser o terceiro alto responsável militar a integrar o novo governo do presidente Emmerson Mnangagwa.

Os outros dois são o Major General Sibusiso Moyo, que anunciou durante a madrugada de 15 de novembro que os militares tinham tomado o controlo do governo do Zimbabué e que o seu líder histórico estava sob prisão domiciliária, juntamente com a sua família, e é agora ministro dos Negócios Estrangeiros, e Perrance Shiri, um antigo comandante da Força Aérea, que foi nomeado ministro da Agricultura, um cargo poderoso no Zimbabué.

Por tradição, os vice-presidentes do partido são também nomeados vice-presidentes do país, com um porta-voz do partido a confirmar isso mesmo ao jornal norte-americano Wall Street Journal: “Assim que ele [o responsável que efetiva as nomeações] estiver de volta ao país, tenho a certeza que o anúncio será feito”.