Fórmula 1

A equipa médica, os vídeos e uma hashtag: o que se sabe de Schumacher, quatro anos depois

627

Michael Schumacher, heptacampeão de Fórmula 1, sofreu há quatro anos um gravíssimo acidente enquanto esquiava. A última informação oficial da família foi em setembro de 2013. Hoje, pouco mais se sabe.

Heptacampeão Michael Schumacher continua a ser muito recordado no mundo do desporto quatro anos depois do acidente nos Alpes

Getty Images

Era um dia, um só dia, apenas mais um dia. A 29 de dezembro de 2013, Michael Schumacher, o maior campeão de sempre da Fórmula 1, estava com a família a esquiar numa zona fora da pista da estância de Meribel, nos Alpes Suíços, quando sofreu um acidente. Um grave acidente. Não foi o primeiro, mas foi o pior de todos: embateu com a cabeça numa rocha, o capacete rachou e ficou em coma. Quatro anos depois, alguns sabem como está o alemão, mas pouca ou nenhuma informação passou para o domínio público por opção da família.

Após muitas semanas em coma, no Centro Hospitalar de Grenoble, Schumi passou para o Hospital Universitário de Vaud em Lausana em junho de 2014 e regressou a casa três meses depois, em setembro. Pelo meio, foi-se sabendo amiúde da evolução clínica do piloto. “Conseguiu alguns avanços nas últimas semanas e meses mas ainda lhe falta um largo e duro caminho pela frente”, comunicou a família na altura. Daí para cá, nunca mais se soube nada. “Não é um assunto público”, justificam pessoas próximas do clã Schumacher. “É um direito da família proceder da maneira que considerar ser a melhor para eles”, acrescentou Sabine Kehm, a manager do piloto.

No ano passado, houve alguma especulação por esta altura, inclusive com a CNN a citar informações de uma fonte que garantia que Schumacher ainda não conseguia andar. Nada foi confirmado, a não ser um caso “paralelo”: um alemão de 54 anos que trabalhava na empresa Rega, especializada em transportes aéreos via helicóptero, foi detido por ter alegadamente roubado alguns prontuários médicos sobre o estado de saúde do piloto e encontrado morto quando estava detido em Zurique. Circulou também que havia um paparazzi com imagens exclusivas de Schumi, de 48 anos, mas as mesmas (que custariam uma fortuna) nunca chegariam a ser tornadas públicas, num processo que envolveu também uma investigação por alegada violação da privacidade.

Em paralelo, estima-se que a família tenha gasto já um total de 28 milhões de euros em cuidados médicos com o antigo campeão da Fórmula 1, valor contabilizado a partir dos alegados 140 mil euros semanais na equipa de 15 pessoas liderada por Richard Frackowiak. Entretanto, soube-se que a família de Michael Schumacher (considerado pela revista Forbes o quinto desportista com mais rendimentos de sempre, apenas atrás de Michael Jordan, Tiger Woods, Arnold Palmer e Jack Nicklaus) vendeu alguns dos seus bens, como uma mansão que tinha perto de Oslo, na Noruega, um Rolls Royce e o avião particular.

O filho Mick, de 18 anos (que em agosto pilotou na Bélgica o primeiro carro com que o pai foi campeão, numa homenagem sentida a Schumi), não se cansa de agradecer todo o apoio e energia positiva passada pelos fãs, ao mesmo tempo que se vai destacando nos desportos motorizados (já admitiu publicamente que sonha poder sagrar-se campeão mundial da Fórmula 1), enquanto a filha Gina-Maria, de 20 anos, que tem brilhado como amazona, continua a publicar mensagens inspiradoras de homenagem ao pai sempre com a hashtag #keepfighting, uma marca criada pela família para que outros na mesma situação nunca desistam.

Sete vezes campeão mundial, Michael Schumacher continua a ser uma das figuras mais respeitadas de sempre na Fórmula 1 (e no desporto em geral, como se viu na manchete do L’Équipe esta semana) e, de pilotos a chefes de equipa, são poucas as semanas em que não é homenageado, como aconteceu recentemente com Lewis Hamilton, inglês que ganhou o quarto título em 2017. Ausente dos holofotes do desporto automóvel e da vida pública há quatro anos, ninguém o esquece. E as reações às fotografias e vídeos que vão sendo partilhadas na sua página oficial do Facebook também mostram isso mesmo.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Detalhes da assinatura

Acesso ilimitado a todos os artigos do Observador, na Web e nas Apps, até três dispositivos.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Inicie a sessão

Ou registe-se

Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)