Indústria Transformadora

Produção automóvel em Portugal cresceu 22,7% em 2017 após dois anos em queda

No acumulado do ano de 2017, os dados mostram que a produção de ligeiros de passageiros cresceu 27,4%, tendo sido produzidos um total de 126.426 veículos.

MÁRIO CRUZ/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A produção automóvel em Portugal aumentou 22,7% em 2017 face ao ano anterior, para um total de 175.544 veículos, interrompendo a tendência de queda dos dois anos anteriores, anunciou esta quinta-feira a ACAP — Associação Automóvel de Portugal.

Entre janeiro e dezembro de 2017, “todas as categorias de veículos registaram um desempenho favorável”, avança a ACAP, em comunicado. No acumulado do ano, os dados mostram que a produção de ligeiros de passageiros cresceu 27,4%, tendo sido produzidos um total de 126.426 veículos. Já a produção de comerciais ligeiros aumentou 7,8%, para 42.816, enquanto nos veículos pesados a subida foi de 50,6%, totalizando 6.302 viaturas.

Só em dezembro, as fábricas de automóveis instaladas em Portugal produziram 15.308 novas viaturas, um crescimento de 75% em relação ao mesmo mês do ano anterior, com destaque para os automóveis ligeiros de passageiros, cuja produção subiu 88,6%.

Quanto às exportações, a ACAP sublinha que os dados de 2017 “indicam um acréscimo no número de viaturas exportadas face ao ano anterior de 23,5%, sendo que 95,9% dos veículos fabricados em Portugal tiveram como destino o mercado externo, contribuindo de forma significativa para a balança comercial portuguesa”.

A Europa continua a ser o mercado que mais recebe veículos automóveis produzidos em Portugal, totalizando 86,5% das exportações, acrescenta. Alemanha, Espanha e França são os três principais destinos na Europa da produção nacional automóvel. Fora da Europa, a Ásia é a região onde se verifica o valor mais expressivo (11,1%) sendo que a China é o país que mais importa carros fabricados em Portugal (9,4%).

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Finanças Públicas

O esbulho fiscal

Luís Aguiar-Conraria

Se é verdade que a nossa carga fiscal está ligeiramente abaixo da média da União Europeia, também é verdade que o nosso esforço fiscal está muito acima da média. Está, por exemplo, 37% acima do alemão

Impostos

Ode ao Portal das Finanças

José Miguel Pinto dos Santos

Pode ser que o Portal das Finanças tenha reduzido atritos entre cobradores e contribuintes, mas uma carga fiscal excessiva continuará sempre a gerar fuga aos impostos através de uma economia paralela

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site