Família

SuperNanny. Pais do segundo episódio deverão ser ouvidos pela Comissão de Proteção de Crianças e Jovens

421

O jornal Expresso avança que a SIC recebeu ordem da CPCJ para retirar as imagens referentes ao primeiro episódio do SuperNanny dentro de 48 horas. A emissora rejeita fazê-lo.

© SIC

Os pais que protagonizam o segundo episódio do polémico programa “SuperNanny”, que passa este domingo na SIC, deverão também ser ouvidos pela CPCJ local, confirmou o Observador junto de fonte oficial da Comissão Nacional de Promoção dos Direitos e Proteção das Crianças e Jovens. “A CPCJ deverá proceder a todas as diligências necessárias, incluindo ouvir os pais com carácter de urgência.”

Os familiares das crianças envolvidas alertaram a Comissão Nacional, que encaminhou o caso para a CPCJ local — não se conhece, por enquanto, a área de residência dos visados.

O próximo episódio, que vai ser emitido já este domingo na SIC, visa uma criança, de nome Francisco, e uma pré-adolescente, tal como se pode ver num teaserdisponibilizado por aquele canal de televisão.

A CPCJ de Loures ainda está a acompanhar os pais e a menina, apelidada de “Furacão Margarida”, que apareceram no primeiro episódio, emitido a 14 de janeiro. O caso está em “fase de diagnóstico”, depois de os pais da criança terem sido ouvidos pela CPCJ de Loures na passada segunda-feira.

Horas depois de o primeiro episódio ter sido emitido, foram várias as entidades que expressaram o seu desagrado com o formato do reality show, a começar pela própria Comissão Nacional de Promoção dos Direitos e Proteção das Crianças e Jovens (CNPDPCJ), que emitiu um comunicado a alertar para o “elevado risco” de o programa “SuperNanny” “violar os direitos das crianças, designadamente o direito à sua imagem, à reserva da sua vida privada e à sua intimidade”.

Ao Observador, a Procuradoria Geral da República assegura que “o Ministério Público tem estado em contacto com a Comissão de Proteção de Crianças e Jovens, onde existe um processo de promoção e proteção a favor da criança”.

O Observador voltou a insistir junto da produtora do programa, a Warner Bros. TV Portugal, que até ao momento não respondeu a qualquer pergunta.

SIC tem dois dias para retirar imagens do primeiro episódio do ar

A Comissão de Proteção de Crianças e Jovens (CPCJ) de Loures quer que a SIC retire do ar as imagens em que a criança retratada no primeiro episódio de “SuperNanny” é exposta, tendo enviado, em articulação com o Ministério Público, uma carta registada à emissora em que lhe dá 48 horas para o fazer, escreve o jornal Expresso. Caso as imagens não sejam retiradas, a SIC poderá ser acusada do crime de desobediência.

A ordem, enviada esta quinta-feira de manhã, engloba o episódio e todas os vídeos promocionais e repetições do programa, seja na televisão, internet, plataformas de streaming ou redes sociais.

De acordo com o Expresso, a SIC recusa-se a retirar as imagens e considera que a CPCJ “carece de legitimidade legal”. A emissora afirma que “SuperNanny” foi “produzido e é exibido no estrito cumprimento da lei aplicável, tendo sido obtidas as necessárias autorizações”. Na mesma resposta, a SIC diz discordar que a aplicação da Lei de Proteção de Crianças e Jovens em Perigo esteja em causa pois esta destina-se “a tutelar situações de manifesta gravidade em que os pais, o representante legal ou quem tenha a guarda da criança ou jovem coloque em perigo a sua segurança, saúde, educação ou desenvolvimento”.

Em caso de incumprimento por parte da SIC, a CPCJ e o Ministério Público irão avançar com um inquérito para verificar se houve crime de desobediência, situação em que a emissora se diz disponível para prestar esclarecimentos às autoridades.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: acmarques@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)