Rádio Observador

Catalunha

A dinamarquesa que deixou Puigdemont à beira de um ataque de nervos

2.609

Crítica dos movimentos independentistas e do processo catalão, Marlene Wind não poupou Puigdemont a perguntas incómodas numa conferência em Copenhaga. E acusa-o de "montar um circo".

AFP/Getty Images

Autor
  • Helena Cristina Coelho

“Quer uma limpeza étnica? É esse o seu objetivo?” “Diz que quer negociar com Rajoy, mas não acha que está a ser muito provocador e a contribuir para uma escalada desta situação?” “E a democracia para si é só fazer referendos e votar ou inclui também o respeito pela lei e pela Constituição?”

Estas foram só algumas das perguntas com que Marlene Wind bombardeou Carles Puigdemont durante a sua conferência na Universidade de Copenhaga. Mas a dinamarquesa já tinha prevenido o ex-presidente do governo catalão: “Vou fazer-lhe várias perguntas. Tem a caneta preparada?”, avisou logo no arranque da sessão desta segunda-feira. E reforçou: “devo parecer provocadora, mas é para isso que aqui estou.”

O estilo crítico e desafiador é já uma assinatura de Marlene Wind, politóloga e diretora do Centro de Política Europeia da Universidade de Copenhaga, e ontem não foi exceção. Na conferência – que levou Puigdemont a deixar a Bélgica, onde está a viver desde a destituição do governo da Catalunha, e a arriscar a detenção – a dinamarquesa foi dura nas perguntas e ácida no tom, causando a irritação do político catalão que, mesmo tentando contestar as perguntas e defender a sua posição pela independência da Catalunha, acabou a gaguejar em algumas respostas e com um meio sorriso na maior parte do tempo. Mas não se esquivou a nenhuma pergunta em nenhum momento.

O separatismo foi uma das notas dominantes deste debate sem tréguas. “A sua visão é romper a Europa em milhares de Estados? Quantos quer? É essa a sua visão? Porque, se é, fico muito preocupada”, atirou Marlene Wind entre acusações de “balcanização”, “limpeza étnica” e outras para as quais quase não dava espaço para as respostas do catalão. A especialista em política europeia acusa mesmo o líder catalão de querer “balcanizar” a Europa, dividindo-a em 200 estados etnicamente puros com uma única identidade.

As perguntas duras traduziram a própria visão da dinamarquesa sobre o que se passa na Catalunha. “Sou muito crítica com a violência, porque acredito que é preciso dialogar e resolver as coisas”, explicou Marlene Wind. “Por isso, para mim, Rajoy nem sempre agiu como deveria. Mas Puigdemont, em vez de acalmar a situação, contribuiu para que se agravasse. Ele sabia que ia ser nomeado esta segunda-feira [para presidente do governo catalão] e por isso montou isto tudo. Sinto que nos usou como reféns para montar o seu circo”, disse em entrevista ao El Confidencial após a conferência de Copenhaga. Numa outra entrevista ao El País, Marlene Wind acrescenta mesmo que “o circo de Puigdemont consiste em apresentar-se como vítima de Rajoy”.

A imprensa espanhola, aliás, destacou as picardias entre Wind e Puigdemont durante a conferência, realçando as várias questões com que a dinamarquesa questionou a legitimidade do processo desencadeado pelo candidato do partido independentista Junts per Catalunya.

Não é a primeira vez que Carles Puigdemont é confrontado com questões mais duras ou críticas em eventos públicos. Já em março do ano passado, numa apresentação na Universidade de Harvard, nos EUA, o catalão enfrentou uma série de questões de vários académicos que punham em causa as propostas de Puigdemont, bem como a utilidade do próprio referendo sobre a independência da Catalunha.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Socialismo

Má-fé socialista /premium

José Miguel Pinto dos Santos

Não é a situação social em Portugal muito melhor que na Venezuela — e que nos outros países socialistas? Sim, mas quem está mais avançado na implantação do socialismo, Portugal ou Venezuela?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)