Brexit

Estudo do governo admite Reino Unido pior fora da União Europeia em qualquer cenário

471

Estudo confidencial do governo britânico analisou impacto do Brexit na economia britânica e, em qualquer um dos cenários considerados plausíveis, assume que o Reino Unido estará pior fora da União.

ANDY RAIN/EPA

Autor
  • Nuno André Martins

O Reino Unido ficará pior fora da União Europeia em qualquer cenário considerado plausível pelo próprio governo britânico, de acordo com um estudo confidencial que foi realizado pelo governo inglês para estudar os impactos do Brexit na economia britânica. O estudo foi dado a conhecer esta segunda-feira pelo Buzzfeed.

Depois de uma campanha intensa e polémica que levou ao ‘sim’ no abandono do Reino Unido da União Europeia, o governo mudou e os que defendiam a saída acabaram por assumir cargos governamentais, sendo o caso mais proeminente o de Boris Johnson, antigo presidente da câmara de Londres que atualmente desempenha o cargo de ministro dos Negócios Estrangeiros.

No entanto, e apesar dos vários pedidos dos grupos políticos e da comunicação social, o governo de Theresa May tem-se recusado divulgar a análise ao impacto do Brexit na economia. Esta segunda-feira, o Buzzfeed dá a conhecer os resultados de um estudo com data de janeiro de 2018, indicando que em qualquer um dos três cenários mais plausíveis — em que o Reino Unido consegue um acordo de livre comércio abrangente com a União Europeia, um Brexit sem qualquer acordo, ou um Brexit com o Reino Unido a continuar no mercado único –, o governo britânico antecipa que o Reino Unido estará pior num prazo de 15 anos do que se continuasse na União Europeia.

Sem um acordo com a União Europeia, a situação seria ainda mais negra. De acordo com a análise do governo britânico, o crescimento económico cairia 8%, em comparação com as atuais projeções. Mesmo continuando no mercado único, o melhor dos mundos num cenário de Brexit — e que a União Europeia já rejeitou –, a economia cresceria menos 2% que o previsto.

A partir do momento em que o Reino Unido sair da União Europeia estará sujeito às regras da Organização Mundial do Comércio. Sem um acordo com o bloco, e com os restantes países, a economia britânica fica sujeita a condições mais duras nas transações com os países, incluíndo tarifas mais pesadas sobre as suas exportações.

Na análise feita pelo governo britânico, mesmo com a assinatura de acordos de comércio, a melhoria do crescimento não seria muito expressiva. No caso de um acordo com os Estados Unidos, parceiro tradicional do Reino Unido e a maior economia do mundo, a economia só cresceria mais 0,2% que num cenário de ausência de acordos, o mesmo em que estaria a crescer menos 8%.

O mesmo documento prevê que os quase todos os setores da economia fiquem pior do que estão em todos os cenários contemplados. Os mais afetados são precisamente onde estão os trabalhadores com menos qualificações e que se aponta que tenham sido os que votaram a favor desta medida, em setores como a indústria, retalho, automóvel, bebida e restauração. Só a agricultura não seria afetada negativamente pela saída da União Europeia.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)