IURD

Igreja Universal do Reino de Deus recorre a tribunais para exigir “reparação dos danos” após “campanha infamante”

600

A Igreja Universal do Reino de Deus informou que vai recorrer à justiça para "exigir a reparação dos danos causados" com as notícias sobre casos de adoções ilegais, após uma "campanha infamante".

GIL COHEN MAGEN/POOL/EPA

Autor
  • Agência Lusa

A Igreja Universal do Reino de Deus (IURD) informou este sábado que vai recorrer à justiça para “exigir a reparação dos danos causados” com as notícias publicadas sobre casos de adoções ilegais, após uma “campanha infamante” contra a instituição.

“A IURD recorrerá aos tribunais para exigir a reparação dos danos causados”, diz a IURD, num “comunicado para reposição da verdade” assinado pelos membros da direção João Filipe, César Ribeiro e Maria João Dias, divulgado em vários jornais.

Explicando que recorreu a espaços pagos em várias publicações para garantir que a informação é “transmitida na íntegra”, aquela instituição religiosa aponta que, ao longo dos últimos meses, tem sido “objeto de uma campanha infamante, constituída […] por uma inesgotável sequência de reportagens televisivas e notícias publicadas em jornais, com as quais se pretende inculcar a ideia de que a Igreja alimentou, há cerca de 20 anos, um esquema ilegal e fraudulento de adoções”.

“Esta campanha, feita de uma agressividade inaudita, para além de desrespeitar direitos fundamentais de várias pessoas envolvidas, é falsa e difamatória”, vinca a IURD na nota.

Aludindo à análise ao caso feita pela Procuradoria-geral da República (PGR), que “não detetou circunstâncias menos claras” nas adoções da IURD, a entidade salienta que “todos os processos de adoção […] foram tramitados de forma rigorosa, tendo sido cumprida a totalidade dos trâmites legais, seja pelas autoridades administrativas, seja pelo Ministério Público, seja pelos magistrados judiciais”.

“Isso mesmo está a ser apurado de forma completa e sem margem para dúvidas pela PGR”, acrescenta, sustentando que “nada há, por isso, [nada] a apontar à forma como se processaram os diversos passos previstos na lei, desde a entrega das crianças às instituições ao deferimento da confiança judicial, até à decisão de adoção”.

A IURD insiste que “tudo, mas tudo mesmo, foi feito em rigoroso cumprimento das regras aplicáveis”, concluindo que “é falso tudo o que se diga em contrário”.

“É preciso deixar muito claro [que] a IURD não retirou filhos aos pais como, de forma insidiosa, se vem dizendo. As crianças foram entregues pela Segurança Social ao lar porque se encontravam em risco”, adianta, afirmando desconhecer os motivos para “esta campanha”.

A instituição deixa ainda a garantia de que vai “repor verdade […] perante a torrente de falsidades habilidosas, mentiras grosseiras e manipulações maldosas, das quais tem vindo a ser algo, geradoras, aliás, de incitamento à violência, que já gerou a prática de atos criminosos incidindo sobre pessoas e bens”.

A TVI exibiu uma série de reportagens denominadas “O Segredo dos Deuses”, na qual noticiou que a IURD esteve alegadamente relacionada com o rapto e tráfico de crianças nascidas em Portugal.

O caso foi, entretanto, acompanhado por outros órgãos de comunicação nacionais.

Os supostos crimes terão acontecido na década de 1990, com crianças levadas de um lar em Lisboa, que teria alimentado um esquema de adoções ilegais em benefício de famílias ligadas à IURD que moravam no Brasil e nos Estados Unidos.

A IURD tem vindo a refutar as acusações de rapto e de um esquema de adoção ilegal de crianças portuguesas e considera-as fruto de “uma campanha difamatória e mentirosa”.

Segundo informações avançadas pela TVI, a IURD tem atualmente nove milhões de fiéis, espalhados por 182 países, 320 bispos e cerca de 14 mil pastores.

No final de janeiro passado, esta estação televisiva foi notificada através de providência cautelar para a retirada das reportagens.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)