Caso José Sócrates

José Sócrates compara caso Lex à Operação Marquês

1.241

Num artigo de opinião publicado no jornal Público, o antigo primeiro-ministro critica "o novo paradigma" do Ministério Público que diz consistir numa "perseguição a alvos seletivos".

JOSÉ COELHO/LUSA

O antigo primeiro-ministro José Sócrates considera que casos como a Operação Lex — ou o processo Marquês, onde está acusado de crimes de corrupção passiva, branqueamento de capitais e fraude fiscal — revelam um “desprezo pelos direitos individuais e pela cultura de liberdade” semelhantes ao do “velho autoritarismo estatal”. E não tem dúvidas em afirmar que a atuação atual do Ministério Público já ultrapassou a área da investigação judicial, tendo agora entrado “no domínio da perseguição a alvos seletivos”, aproveitado as oportunidades “mediática e corporativa”.

[Veja no vídeo 5 semelhanças entre as Operações Lex e Marquês]

Num artigo de opinião publicado no site do jornal Público intitulado “Um novo paradigma, dizem”, o ex-líder socialista aproveita para fazer várias críticas às autoridades judiciais e aos media. Sócrates começa por mencionar a violação do segredo de justiça, dando a entender que é feita muitas vezes pelos próprios magistrados com o objetivo de “substituir o princípio da presunção da inocência pela presunção pública de culpabilidade“, numa situação “win-win” com os jornalistas.

Sócrates parte depois para o que chama a “exibição do abuso”, falando em “buscas televisionadas”. Para o antigo primeiro-ministro, às “buscas espectaculares” somam-se as “detenções antes de qualquer interrogatório, prisões para investigar” e “campanhas de difamação nos jornais”, que se traduzem em “menos direitos e garantias individuais”. Sócrates garante que foi assim no processo Face Oculta, na Operação Marquês que o envolve e, agora, no caso Lex. “Eles investigam, eles acusam e eles condenam… nas televisões”, sentencia.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eutanásia

A democracia não é absoluta

Mário Pinto

Depois da enunciação da da dignidade da pessoa humana, a Constituição portuguesa faz a listagem enunciativa dos "Direitos, liberdades e garantias". E começa dizendo assim: "A vida humana é inviolável"

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Detalhes da assinatura

Acesso ilimitado a todos os artigos do Observador, na Web e nas Apps, até três dispositivos.

E tenha acesso a

  • Assinatura - Aceda aos dados da sua assinatura
  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Inicie a sessão

Ou registe-se

Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)