Rádio Observador

Turismo

Taxa de ocupação nos hotéis nacionais com “resultado histórico” em 2017

A taxa de ocupação na hotelaria nacional registou um "resultado histórico" em 2017 anunciou a Associação de Hotelaria de Portugal no segundo dia da Bolsa de Turismo de Portugal.

GUILLAUME HORCAJUELO/EPA

Autor
  • Agência Lusa

A taxa de ocupação na hotelaria nacional registou um “resultado histórico” em 2017, atingindo 71%, anunciou esta quinta-feira a Associação de Hotelaria de Portugal (AHP) no segundo dia da Bolsa de Turismo de Portugal (BTL), a decorrer até domingo.

Segundo o AHP Tourism Monitor, que recolhe e agrega dados da hotelaria portuguesa, “2017 foi o melhor ano de sempre nos indicadores operacionais, com a taxa de ocupação a registar um resultado histórico e com o RevPar (receita por quarto disponível) a crescer a dois dígitos, o que demonstra que o preço acompanhou a procura”.

O registo de 71% na taxa de ocupação no ano passado significou mais três pontos percentuais (p.p.) em relação a 2016, tendo a Madeira voltado a registar o valor mais alto: 83%, traduzindo uma subida de 0,6 p.p.

A taxa de ocupação na capital, Lisboa, fixou-se em 80% e no Porto em 76%. Por categorias, a AHP destacou as duas estrelas com um crescimento de 6,6 p.p., “fixando-se nuns expressivos 79%”.

Em 2017, o preço médio por quarto ocupado (ARR), a nível nacional, foi de 88 euros, numa subida de 10% em relação ao ano anterior, com Lisboa a registar o preço médio mais elevado com 107 euros (+14%).

Em termos de RevPar, o valor em 2017 foi de 63 euros, numa subida de 15% na comparação homóloga, tendo todos os destinos registado valores positivos e mais vez Lisboa liderou com 85 euros. Seguiu-se o Algarve com 66 euros e o Grande Porto com 63 euros.

“Em termos de variação homóloga as melhores performances neste indicador foram Leiria/Fátima/Templários, com 28% de crescimento, e Viseu, com 25%”, lê-se na informação divulgada.

Num comentário aos dados de 2017, a presidente executiva da AHP, Cristina Siza Vieira, notou o crescimento nos três principais indicadores: taxa de ocupação, ARR e RevPAR, ressalvando, a margem de crescimento da estada média.

A dirigente da AHP destacou a Região Centro, que, “apesar das vicissitudes por que passou, teve também uma performance na hotelaria digna de registo em 2017″, ao crescer 7% na taxa de ocupação, 10% no RevPAR, 10% no ARR e 17% no RevPAR”.

Esta base de dados da AHP demonstrou ainda que o peso das dormidas nacionais em 2017 foi de 29% enquanto as dormidas do estrangeiro chegaram aos 71%. Em termos de hóspedes, 39% foram nacionais enquanto 61% foram estrangeiros.

Nas dormidas internacionais, a liderança foi do Reino Unido (14%), seguindo-se a Alemanha (13%), Espanha (6%) e França (6%). O mercado brasileiro protagonizou o maior crescimento em 2017 (subiu de 2% para 3%). Por outro lado, o mercado britânico baixou dos 15% em 2016 para 14%, “sendo o mercado com maior quebra no peso das dormidas ao longo do ano”.

A nível dos turistas internacionais, o Norte foi preferido por espanhóis (12%) e franceses (9%), enquanto o Centro esteve na mira também dos espanhóis (13%) e dos italianos (7%). Em Lisboa, o destaque foi para o mercado francês (10%) e alemão (9%) e no Alentejo dos turistas espanhóis (7%). No Algarve, o domínio foi dos ingleses (34%) e alemães (11%).

Na motivação das estadas, no ano passado, o lazer/recreio e férias foi “claramente a principal motivação das dormidas, com 82% das preferências, e a motivação negócios/profissionais chegou aos 11% e as outras motivações aos 7%”.

Cristina Siza Vieira sublinhou que o crescimento na hotelaria “tem sido modesta”, numa análise a 10 anos, notando que os saltos mais positivos têm acontecido apenas a partir de 2015.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)