Chama-se Conselho Estratégico Nacional (CEN), será liderado por David Justino e apresentado na próxima semana. O “governo sombra” do social democrata Rui Rio está organizado em 16 áreas setoriais, o que pressupõe 16 coordenadores e respetivos porta-vozes, e o Eco e o Diário de Notícias já avançaram com alguns dos nomes que o vão integrar.

Na noite de quarta-feira, numa reunião com os 19 líderes distritais do PSD este foi um dos temas em destaque. Segundo o DN, o organismo que Rui Rio já classificou como uma “revolução” no partido terá 16 áreas de intervenção. Cada um dos setores terá um coordenador e um porta-voz — o primeiro alguém com mais experiência com o intuito de trabalhar naquelas que serão as matérias do programa eleitoral e de governo para 2019, o segundo alguém mais novo e na linha da frente do combate político.

Neste momento, segundo o Eco, Rio — que foi eleito presidente do PSD a 13 de janeiro — ainda não tem a equipa fechada e está a fazer contactos para fechar a lista de nomes. Mas já se conhecem algumas das escolhas que o líder do PSD terá feito:

  • Finanças Públicas – Álvaro Almeida, candidato do PSD à Câmara do Porto nas últimas autárquicas, que terá como porta-voz Joaquim Sarmento, que é professor auxiliar de Finanças no ISEF e foi assessor económico de Cavaco Silva.
  • Reforma do Estado e Descentralização – Álvaro Amaro, presente da câmara da Guarda e defensor do movimento pelo interior, que terá como porta-voz Barbosa de Melo, professor na Faculdade de Economia de Coimbra e vereador da câmara de Coimbra.
  • Solidariedade e bem estar – Silva Peneda, ex-presidente do Conselho Económico e Social, que terá como porta-voz António Tavares, provedor da Santa Casa da Misericórdia do Porto.
  • Administração Interna – Matos Correia, deputado do PSD
  • Agricultura – Arlindo Cunha, ex-ministro de Cavaco Silva para a Agricultura

Ainda de acordo com o jornal Eco, o CEN vai trabalhar em estreita articulação com o grupo parlamentar e essa ligação será feira por Fernando Negrão, líder do PSD na Assembleia da República, e António Leitão Amaro, que integra a direção da bancada.

Além das áreas cujos nomes já são conhecidos, haverá ainda relações externas, assuntos europeus, educação, saúde, economia, inovação e internacionalização, por exemplo. De acordo com o Jornal de Negócios, estas secções temáticas nacionais poderão ter a sua sede em diferentes cidades e ser replicadas pelas distritais que assim entenderem.

Segundo o Público, os nomes convidados para integrar o CEN serão anunciados brevemente, em conferência de imprensa, na sequência do Conselho Nacional de dia 3 de Abril.