Incêndios

Nova diretiva da Proteção Civil promete reforço dos meios de combate a incêndios este ano

Os meios de combate a incêndios vão ser reforçados este ano com mais operacionais, viaturas e meios aéreos. O aumento será mais visível nos meses de junho e outubro,

Ricardo Graça/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Os meios de combate a incêndios vão ser reforçados este ano com mais operacionais, viaturas e meios aéreos, sendo o aumento mais visível nos meses de junho e outubro, segundo a Diretiva Operacional Nacional (DON). A DON, a que agência Lusa teve acesso, estabelece o Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Rurais (DECIR) para 2018 e avança que os meios vão ser reforçados em todos os períodos do ano.

No entanto, é nos meses de junho e outubro, quando se registaram os maiores incêndios de 2017 que provocaram 115 mortos, que se vai notar maior aumento.

De acordo com a DON, feita pela Autoridade Nacional de Proteção Civil e homologada pelo secretário de Estado da Proteção Civil, José Artur Neves, na sexta-feira, junho vai contar este ano com mais 1.580 operacionais, 365 viaturas e oito meios aéreos do que 2017. No período de 01 a 30 junho, que agora vai passar a chamar-se “reforçado nível III”, vão estar mobilizados um total de 8.187 elementos e 1.879 veículos dos vários agentes presentes no terreno, além de 40 meios aéreos, que aumentam para 48 partir de 15 de junho.

Também de 01 a 15 de outubro, igualmente chamado de “reforçado nível III”, os meios aumentam em relação ao ano passado: mais 2.834 operacionais, 637 viaturas e 12 meios aéreos.

Para os primeiros 15 dias de outubro estão previstos 8.352 elementos, 1.944 veículos e 34 aeronaves.

Na última quinzena de outubro, “reforçado nível II”, integram o DECIR as forças de empenhamento permanente e 22 meios aéreos, sendo o número de meios determinado de acordo com a avaliação do perigo e do risco de fogo. Com a mesma denominação, o período de 15 a 31 de maio passa a integrar 6.290 elementos, 1.473 veículos e 32 aviões e helicópteros.

A fase que até agora se denominava “Charlie”, entre 01 de julho e 30 de setembro, continua a mobilizar o maior número de meios, passando este período, que agora vai chamar-se “reforçado nível IV”, a contar com 10.767 elementos, 2.463 veículos e 55 meios aéreos, o maior de sempre.

Em relação a 2017, aquele que é considerado o nível mais crítico de incêndios mobiliza este ano mais 1.027 operacionais, 398 viaturas e sete aparelhos. Com o DECIR 2018 passam a estar disponíveis, entre 01 de janeiro e 14 de maio e 01 de novembro e 31 de dezembro, 20 meios aéreos, seis dos quais do Estado e 14 alugados.

Durante estes meses, denominado “permanente nível I”, vão estar operacionais as forças dos corpos de bombeiros, do Grupo de Intervenção de Proteção e Socorro (GIPS) da GNR, da Força Especial de Bombeiros (FEB) da ANPC, as Equipas de Intervenção Permanente (EIP) e os Grupos de Intervenção Permanente (GIPE).

O DECIR conta com os três helicópteros KAMOV do Estado, mas estes aparelhos não estão atualmente a voar, desconhecendo-se se vão estar operacionais para os incêndios. Este ano, a rede nacional de postos de vigia, da responsabilidade da GNR, vai estar em funcionamento entre 07 de maio e 30 de outubro, estando a funcionar 228 postos entre 01 de julho e 15 de outubro e no restante período 72. A DON vai ser aprovada na segunda-feira na Comissão Nacional de Proteção Civil.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Empresas

Accionista e operador de máquinas: bons amigos?

Rui Esperança

A perpetuação do modelo da melhoria dos resultados das empresas à custa dos salários baixos e do consequente enriquecimento dos accionistas tem de mudar. Sem as pessoas, as empresas são pouca coisa.

Abusos na Igreja

Mr. McCarrick, I presume? /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

Quando a Igreja castiga os clérigos pedófilos, com o máximo rigor que a lei canónica permite, age de acordo com o exemplo e a doutrina do seu divino Mestre.

Governo

A famiglia não se escolhe? /premium

Alberto Gonçalves

Se ainda não se restringiu o executivo aos parentes consanguíneos ou afins do dr. Costa, eventualidade que defenderia com empenho, a verdade é que se realizaram amplos progressos na área do nepotismo

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)