Olmo, um jovem lince-ibérico, foi encontrado atropelado no dia 2 de maio na estrada nacional 122, que liga Beja a Mértola. O animal ainda foi sujeito a uma intervenção cirúrgica no mesmo dia, mas acabou por morrer durante a operação. Este foi o terceiro atropelamento de exemplares de lince-ibérico libertados no Guadiana e o segundo no espaço de duas semanas.

Fêmea de lince-ibérico encontrada morta com sinais de atropelamento

O jovem macho nasceu em março do ano passado no Centro de Cría de Lince-ibérico de Granadilla e tinha sido libertado perto de Mértola no dia 15 de fevereiro, no âmbito do projeto de recuperação da distribuição histórica do lince-ibérico (Lynx pardinus) em Espanha e Portugal.

“O local do atropelamento na EN 122, próximo do cruzamento de Alcaria Ruiva, era já um local conhecido de mortalidade de fauna selvagem”, referiu o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), em comunicado. O animal foi recolhido por uma equipa do ICNF com o apoio do SEPNA (Serviço de Proteção da Natureza e do Ambiente, da GNR) e levado para o Centro de Cirurgia Veterinária de Loures, onde foi operado. As lesões no fígado e baço acabaram por levar à morte do animal.

A libertação de Opala e outras histórias de amor e tragédia de linces-ibéricos

Niassa, a fêmea atropelada em abril, tinha sido libertada em fevereiro de 2017 juntamente com Noudar, ambos nascidos no Centro Nacional de Reprodução em Cativeiro em Silves.