Sporting

Agressores de Alcochete atacaram Porsche de Nelson e queimaram preparador físico

396

Os invasores de Alcochete lançaram tochas contra o Porsche de Nelson, o treinador de guarda-redes, e contra o preparador físico Mário Monteiro, que ficou com queimaduras na mão e na barriga.

Filipe Amorim / Global Imagens

Não foi apenas um aviso ou uma forma de pressão. O grupo de adeptos do Sporting que, no final da tarde de terça-feira, invadiu a academia de Alcochete de caras cobertas, tochas e cintos nas mãos tinha um plano “previamente gizado e acordado entre todos” que passava por “molestar fisicamente os ofendidos e causar-lhes os ferimentos verificados e dores”, diz o Ministério Público. Na concretização desse plano, entre os estragos provocados, deixaram destruído o Porsche do treinador de guarda-redes, Nélson Pereira, e entre os ferimentos causados provocaram queimaduras no preparador físico Mário Monteiro.

O cenário de violência é descrito pela procuradora adjunta, Olga Melo Duarte, no despacho entregue ao juiz de instrução para aplicar as medidas de coação aos 23 detidos pela GNR. Segundo a magistrada, eram cerca de 17h00 quando o grupo forçou a entrada da academia e encetou uma série de atos que acabariam por deixar as vítimas atemorizadas, nas suas palavras, “com bastante medo e inquietação”, encontrando-se agora “afetados psicologicamente”.

Quando ali chegaram, estavam cerca de 20 pessoas na academia, entre jogadores da equipa principal e pessoal técnico. As primeiras vítimas das tochas dos agressores foram João Pedro Rolin Duarte e Paulo Cintrão, bem como o treinador Jorge Jesus que iam começar os treinos. Depois, os agressores arremessaram tochas em direção aos carros que ali se encontravam parqueados,  e provocaram estragos nos mesmos. O Porsche preto, modelo Panamera, de Nélson Pereira, era um deles. A vítima — que já foi guarda redes do Sporting — diz que os danos rondam os 3 mil euros.

“As tochas provocaram a deflagração de um foco de incêndio num jardim relvado e numa zona de pasto com ervas secas, assim as inutilizando”, descreve o despacho que indicia os arguidos por nove tipos crimes: terrorismo, agressão, sequestro, dano com violência, detenção de arma proibida, incêndio florestal, ameaça agravada, resistência e coação sobre funcionário e introdução em lugar vedado ao público.

O grupo forçou a entrada da parte profissional da academia e a portas do balneário onde surpreendeu os jogadores. Aqui lançaram quatro tochas e uma delas atingiu o preparador físico Mário Monteiro, que sofreu queimaduras na mão esquerda e na barriga.

Voces são uns filhos da puta, cabrões. Vocês são um monte de merda. Vamos-vos matar! Vocês estão fodidos. Vamos-vos arrebentar a boca toda! Não ganhem n domingo que vocês vão ver”, diziam os agressores enquanto atacavam o pessoal da academia.

O Ministério Público refere, além destas vítimas, que os agressores atingiram o jogador Das Bost com um cinto na cabeça e com pontapés no corpo, molestaram o treinador Jorge jesus com um cinto verde na face e com pontapés no corpo e ainda sete outros jogadores, entre eles Rui Patrício. Houve ainda três outras vítimas socadas, entre elas um enfermeiro e um fisioterapeuta.

A procuradora diz que todos agiram por “motivo fútil” que causou “alarme social”. E vai mais longe: estes suspeitos não devem ficar em liberdade porque podem continuar a atividade criminosa e “perturbar a ordem pública”. Considera por isso que devem aguardar o julgamento em prisão preventiva.

Quando a GNR chegou à academia, as agressões já tinham ocorrido e os suspeitos estavam a fugir em carros próprios. As autoridades conseguiram interceptar 23 suspeitos, oito deles num carro BMW que quase abalroou a barreira policial, mas que travou mesmo a tempo. Do total de arguidos, só nove se dispuseram a prestar declarações ao juiz de instrução criminal esta quinta-feira no Tribunal do Barreiro. Os restantes preferiram remeter-se ao silêncio. As medidas de coação só deverão ser conhecidas esta sexta-feira.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ssimoes@observador.pt
Crónica

Uma semana portuguesa, com certeza /premium

Alberto Gonçalves

É impressionante como os socialistas exibem uma ignorância tão vasta em todos os domínios terrestres e, não obstante, conseguem acumular pequenas fortunas pessoais e, para cúmulo, governar tão bem. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)