Startups

Duas startups portuguesas entram pela primeira vez no programa de aceleração da Google

222

A Barkyn tem sede em Portugal e a Unono em Espanha, mas é cofundada por um português. Estão entre as oito selecionadas pela Google para o “programa de crescimento” para startups de base tecnológica.

O programa do Campus de Madrid da Google recebeu 300 candidaturas

AFP/Getty Images

A portuguesa Barkyn e a luso-espanhola Unono estão entre os oito finalistas do programa de aceleração de startups da Google, o Residency, no Campus de Madrid. Houve 300 candidatos.

Com a entrada no programa, as empresas têm acesso a uma rede mundial de experts da Google, dados e insi internos, escritório no Campus e numa rede de outros espaços da Google. As empresas não têm custos com a participação no programa e a Google não fica com nenhuma percentagem do capital da empresa.

O que vimos durante o processo  foi que eles se interessaram muito pela nossa tecnologia, que ajuda à hiper-personalização do serviço em todos os pontos de contacto com o cliente”, disse André Jordão, fundador da Barkyn, ao Observador.

A Barkyn foi lançada no final de 2016 e é um serviço online que oferece vários serviços direcionados aos animais de estimação, com um plano de subscrição personalizado. Através do pagamento de uma mensalidade, o cliente tem tem os produtos à porta, uma caixa surpresa, serviços locais como veterinários e suporte via chat.

A Unono é uma plataforma de recrutamento para jovens com idade inferior a 30 anos. Foi fundada pelo português Luís Mendes e pelo espanhol e suíço Raphäel Heraief. Quem quiser tentar um lugar no mercado de trabalho através da Unono, acede à plataforma, regista os dados e o currículo (escrito e em vídeo). A informação é trabalhada pelo algoritmo desenvolvido pela plataforma, na qual se cruzam as características e preferências do candidato com aquilo que as empresas procuram.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: apimentel@observador.pt
Startups

Reverse Vesting de participações sociais

Pedro Simões de Oliveira

Se é legítimo ao investidor acautelar os seus interesses, também é razoável, garantir que o fundador não fica refém de forma eterna, complexa e incondicional, da sociedade e do investimento. 

Governo

Porque não houve remodelação na educação?

José Ferreira Gomes

Em 2017 acabaram o secundário 75 615 alunos de uma coorte de perto de 120 000! É um escândalo que devia ter toda a atenção do ministério e levar à demissão de um ministro que nem reconhece o problema.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)