Rádio Observador

Estudantes

Unono, a plataforma que quer ser “o Jorge Mendes do recrutamento” sub-30

630

É a única startup ibérica que atua na área do recrutamento e seleção de talentos júnior, reunindo numa plataforma estudantes e recém-licenciados à procura do primeiro emprego.

A Unono tem 30 pessoas a trabalhar nos dois países e quer duplicar a equipa até ao final do ano

Autor
  • Cristiana Faria Moreira

Quer ser como Jorge Mendes, um “super agente” do recrutamento para identificar “os melhores talentos e potencia-los para as melhores oportunidades”. Chama-se Unono, do grego “enono” que significa, juntar, reunir tudo no mesmo espaço. No fundo, é isso mesmo que quer fazer: reunir estudantes, recém-licenciados e empresas numa plataforma para facilitar, por um lado, a procura de emprego e, por outro, a de talento.

Queremos ser um pouco como o Jorge Mendes, o conhecido agente de futebol. Queremos identificar previamente quais os melhores talentos que existem nas faculdades devido à proximidade que temos com essas instituições”, explica Edgar Campos, que se juntou à Unono há cerca de um ano e meio para “começar a trabalhar o mercado português”.

O objetivo é simples: “Criar uma comunidade estudantil de jovens universitários e recém-formados com partilha de conteúdo, experiências, apontamentos”, conta Edgar Campos. A atuar em Portugal e em Espanha, a Unono conseguiu fazer mais de 50 match (ligações de sucesso) entre candidatos e empresas, em oito meses.

Com dois anos e meio de vida, a Unono nasceu em Madrid (onde tem a sede), pela mão de Luís Mendes e Raphäel Heraief (espanhol e suíço) quando eram estudantes. Hoje, tem mais de 50 clientes, como a consultora Accenture, a Amazon, a Science4you, a Johnson & Johnson, a Ageas, a Zurich ou a Prodsmart.

Há cerca de um ano e meio, percebemos a oportunidade de apoiar os recém formados no mercado de trabalho, inicialmente em Espanha. Somos a única startup ibérica que atua na área do recrutamento e seleção de talento júnior – de perfis sem experiência a perfis com, no máximo, três, quatro anos de experiência, sempre com menos de 30 anos. O nosso objetivo é ajudá-los a encontrar as primeiras ou novas oportunidades de trabalho”, explica Edgar Campos, responsável pela Unono em Portugal.

Em Portugal, a empresa está incubada na Startup Lisboa há cerca de um ano. Neste momento, as operações da Unono estendem-se a Lausanne, na Suíça, onde estão a trabalhar no desenvolvimento de uma tecnologia própria de análise de vídeo.

O que é que a Unono faz?

Quem quiser tentar um lugar no mercado de trabalho através da Unono, acede à plataforma, regista os dados e o currículo (escrito e em vídeo). Não tem de fazer mais nada além de esperar pela resposta.

Queremos inverter o mercado. Em vez de o recém formado, ou outra pessoa que esteja à procura de uma nova oportunidade, ter de se registar, enviar o CV, carta de apresentação, carta de motivação, em todas as plataformas [de procura de emprego] que existem no mercado (ou nos websites das empresas onde pretende trabalhar), na Unono submete o currículo uma única vez”, explica o responsável.

A informação começa a ser trabalhada pelo algoritmo desenvolvido pela plataforma, na qual se cruzam as características e preferências do candidato com aquilo que as empresas procuram. O CV em vídeo é um dos pontos diferenciais da plataforma.

Temos dados que dizem que mais de 60 % dos candidatos que enviaram vídeo CV foram contactados. Afinal, não existe uma segunda oportunidade para criar uma primeira impressão”, considera Edgar Campos.

A tecnologia permite, através do vídeo CV, perceber a capacidade de reação ao stress do candidato, como responde às perguntas, quais os temas em que se sente mais à vontade. “E, através dessa análise, conseguimos perceber qual será a melhor oportunidade para o candidato”, explica Edgar Campos.

Apesar de receber perfis de todas as áreas, a Unono foca-se em algumas “áreas fulcrais” como a gestão, economia, recursos humanos, vendas, administração e engenharias. A novidade para 2017 é que a startup vai começar a trabalhar perfis de Tecnologias de Informação (IT).

Os candidatos que se registam na plataforma procuram emprego maioritariamente nas áreas de engenharias e gestão e, mais recentemente, em marketing e publicidade. A média de idades ronda 23 e 26 anos e os jovens são, predominantemente, de Lisboa e do Porto.

A plataforma conta com “milhares de utilizadores em Portugal e Espanha” mas a Unono quer mais 150 mil utilizadores até ao final do ano.

Os “caça-talentos” querem duplicar o número de colaboradores

Em Portugal, têm duplicado o número de utilizadores mensalmente e há cerca de 50 candidatos que foram recrutados nos dois países. O cliente só paga se o candidato for recrutado pela empresa. Dependendo das “especificidades e dos requisitos do perfil”, os valores, à exceção da área de IT, variam entre os 300 e os 600 euros. Para os jovens, o processo é gratuito.

Além do contacto que tem com os candidatos e com as empresas, a Unono tem parcerias com mais de 30 faculdades, em Portugal e Espanha, e lançou, no final do ano, um novo programa: “Embaixadores”. Uma espécie de “caça-talentos”, dentro das universidades.

Para 2017, a startup quer duplicar o número de colocações de candidatos em Portugal, alcançar 50 novos clientes e “chegar a mais países”. Com 30 pessoas a trabalhar em Portugal e Espanha, a Unono está a recrutar. Até ao final do ano, quer duplicar o número de colaboradores.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Universidades

Como degradar a formação dos médicos?

Vasco Mendes
331

Todos os anos sai um despacho com o número de ingressos de cada Instituição de Ensino. O Artigo 13.º assombra as Escolas Médicas e, não fosse 13 o número do azar, não estaríamos a contar esta história

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)