Exploração Espacial

A primeira fotografia do caça-planetas da NASA com mão portuguesa

O TESS, satélite com mão portuguesa lançado pela NASA para procurar exoplanetas, enviou para Terra a primeira fotografia tirada do espaço. Daqui a um mês a missão chegará a bom porto.

O Satélite de Rastreio de Exoplanetas em Trânsito (TESS), o mais recente caça-planetas enviado para o espaço pela agência espacial norte-americana, já enviou para a Terra a primeira fotografia que captou enquanto testava as câmaras com que foi equipado. A imagem mostra 200 mil estrelas da Via Láctea, a galáxia onde fica o Sistema Solar, depois de o satélite ter completado uma volta em redor da Lua para aproveitar a gravidade e estabilizar na órbita final em torno da Terra. As próximas imagens do TESS devem chegar à NASA em junho. E serão essas as que vão arrancar com a nova odisseia em busca de exoplanetas.

Créditos: NASA/MIT/TESS

A imagem mostra a região sul da constelação de Centauro, uma parte da Nebulosa do Carvão no canto superior direito e a Beta Centauri, a segunda estrela mais brilhante da constelação de Centaurus e a décima mais brilhante do céu, no canto inferior esquerdo. Apesar de todos os corpos celestes representados nesta fotografia, para o TESS ela é tão insignificante como descobrir duas partes num puzzle com 1.000 peças: de acordo com o português Tiago Campante, que coordenou uma equipa de cientistas do Centro de Astrofísica da Universidade do Porto envolvida no projeto, o TESS vai sondar 90% do céu. E isso simboliza uma área 400 vezes maior do que a mostrada na fotografia.

Entretanto, o TESS tem andado ocupado: daqui a pouco mais de uma semana, o satélite vai ser sujeito a mais um impulso para finalmente entrar na órbita prevista. Depois de estabilizar nessa órbita, que é muito elíptica, e de calibrar as câmaras, o TESS vai finalmente começar a missão de vasculhar o espaço em busca de planetas para lá do Sistema Solar que possam suportar vida. Ao longo de dois anos, uma parte desse trabalho estará nas mãos de uma equipa de astrofísicos portugueses que são os ‘olheiros’ do projetos: são eles que programam o satélite para saber em que estrelas se deve concentrar para encontrar corpos celestes que os orbitem.

O satélite foi lançado a bordo de um Falcon 9 da SpaceX a partir do Cabo Canaveral a 18 de abril. Será um último passo antes do lançamento do Telescópio James Webb, um gigantesco projeto da agência espacial norte-americana que vai ser lançado em 2020 e que vai substituir o Telescópio Espacial Hubble.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt
Relações Internacionais

A nova economia política /premium

Manuel Villaverde Cabral

A imprensa diz que o FMI foi ultrapassado pelos acontecimentos e já se identificaram os países que poderão vir a estar na linha de mira dos especuladores. A única defesa de Portugal é a União Europeia

Nicolás Maduro

A Venezuela a ferro e fogo /premium

Diana Soller

Maduro tentará impor a sua vontade, agora que se sente verdadeiramente ameaçado. A oposição sentirá que não tem nada a perder. O que pode, efetivamente, degenerar numa guerra civil.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)