Ao longo da última semana, a crise institucional do Sporting tem sido feita numa espécie de jogo de ataque e contra-ataque, resposta e contra resposta, defesa e nova defesa entre o Conselho Diretivo presidido por Bruno de Carvalho e a Mesa da Assembleia Geral liderada por Jaime Marta Soares. Com meios, ferramentas e mecânicas distintas, mas sempre numa cadência de “bola cá, bola lá”. Ainda assim, faltava aquela bola de set para fechar o parcial ou o encontro, que chegou quando menos se esperava e, sobretudo, da forma menos expectável possível.

As quatro horas loucas do Sporting, da ata por assinar aos gravadores, da bomba atómica ao porta-voz de Saddam

Em resposta ao anúncio por parte da Mesa da Assembleia Geral ao início da noite desta quinta-feira, que divulgou em comunicado a criação de uma Comissão de Fiscalização com cinco nomes para exercer de forma transitória o papel que caberia ao Conselho Fiscal e Disciplinar demissionário (pelo menos seis dos sete membros efetivos, o que levava à perda de quórum), o Conselho Diretivo reagiu também em comunicado e provocou um autêntico golpe de teatro, virando o tabuleiro ao contrário e decidindo destituir a Mesa da Assembleia Geral.

Em resumo, Bruno de Carvalho e seus pares entendem que os membros que apresentaram em bloco a demissão da Mesa da Assembleia Geral e os seis elementos que decidiram revogar o seu mandato no Conselho Fiscal e Disciplinar não iniciaram “os procedimentos legais e estatutários a que estão vinculados, e que permitiram o normal funcionamento do clube e consequente defesa dos interesses do Sporting Clube de Portugal”. “O universo leonino tem sido, nestas últimas semanas, confrontado, pelos mesmos, com uma série de decisões ilegais, como, por exemplo o anúncio de Assembleias Gerais de destituição e a constituição de Comissões de Fiscalização ilegítimas, que têm sido altamente nocivas para a atividade do clube, a atividade da SAD e para a imagem das mesmas”, diz.

Quatro horas que se resumem num parágrafo, dois encontros pouco discretos e a AG: os bastidores do Sporting

Assim, a própria Direção do Sporting decidiu afastar a Mesa da Assembleia Geral através da criação de uma Comissão Transitória da Mesa, liderada pela advogada e professora universitária Elsa Tiago Judas, nome que tinha sido avançado pelo Observador como a escolha de Bruno de Carvalho para as próximas eleições para o órgão. De forma ainda mais surpreendente, essa mesma Comissão Transitória da Mesa deliberou substituir o Conselho Fiscal e Disciplinar por outra Comissão de Fiscalização, neste caso tendo Subtil de Sousa, que será o candidato à liderança do órgão nas próximas eleições para o mesmo na lista de Bruno de Carvalho, como um dos cinco membros.

Um jornalista, um economista, dois advogados e ninguém da lista inicial: Mesa do Sporting divulga Comissão

Em paralelo, e além de ter sido anulada a Assembleia Geral Extraordinária marcada para dia 23 na Altice Arena, foi marcada uma reunião magna ordinária para aprovação do orçamento (que teria sempre de acontecer até dia 30 de junho), mais duas alterações estatutárias e análise da situação do clube com prestação de esclarecimentos. E não fica por aí: haverá eleições para a Mesa e para o Conselho Fiscal e Disciplinar a 21 de julho.

Olhando para o anexo colocado no site do clube, onde estão apenas os artigos e os respetivos números e alíneas que serão alvo de escrutínio, estarão em causa os temas “Cessação do mandato” (artigo n.º 37), “Renúncias” (artigo n.º 39), “Comissões de gestão e de fiscalização” (artigo n.º 41), “Composição do Conselho Diretivo” (artigo n.º 55, onde será acrescentando um novo ponto), “Competência do Presidente do Conselho Diretivo” (artigo n.º 55 A, onde haverá uma nova alínea) e “Alteração dos Estatutos” (artigo 67.º).

“Com todas estas medidas o Conselho Diretivo consegue, deste modo, assegurar o normal funcionamento do clube, a defesa dos superiores interesses do Sporting, garantindo ainda a continuidade de processos como: Empréstimo Obrigacionista na SAD; contratualização da reestruturação financeira; normal funcionamento da época desportiva que está a decorrer em várias modalidades, bem como a preparação da próxima época desportiva das 55 modalidades, entre elas o futebol”, conclui o comunicado emitido ao final da noite.

AG Extraordinária, nova Comissão, eleições, oposição, treinador: os novos braços-de-ferro no Sporting

Aqui fica o comunicado na íntegra do Conselho Diretivo do Sporting:

O Conselho Diretivo do Sporting Clube de Portugal reuniu hoje, na sequência da renúncia em bloco da Mesa da Assembleia Geral e da renúncia da maioria dos membros do Conselho Fiscal e Disciplinar, e por não ter sido iniciado pelos mesmos os procedimentos legais e estatutários a que estão vinculados, e que permitiriam o normal funcionamento do clube e a consequente defesa dos superiores interesses do Sporting Clube de Portugal.

Pelo contrário, o universo leonino tem sido, nestas últimas semanas, confrontado, pelos mesmos, com uma série de decisões ilegais, como, por exemplo o anúncio de Assembleias Gerais de destituição e a constituição de Comissões de Fiscalização ilegítimas, que têm sido altamente nocivas para a atividade do clube, a atividade da SAD e para a imagem das mesmas.

Em face de tudo isto foram tomadas as seguintes deliberações: 

1 – Substituir a Mesa demissionária da Assembleia Geral e respetivo presidente, através da criação de uma Comissão Transitória da Mesa da Assembleia Geral, que será composta pelos seguintes elementos:

– Elsa Tiago Judas, Sócia nº 29.109-0. Advogada, Professora Universitária e Doutoranda em Direito;

– Trindade Barros, Sócio nº 26.185-0. Advogado, Professor Universitário, Doutorando em Direito;

– Yassin Nadir Nobre, Sócio nº 79.805-0. Empresário e gestor.

A Comissão Transitória da Mesa da Assembleia Geral deliberou:

1 – Substituir o Conselho Fiscal e Disciplinar demissionário por uma Comissão de Fiscalização composta pelos seguintes elementos:

– José Maria Subtil de Sousa, Sócio nº 8.119-0. Ex-vice-presidente do Sporting;

– Miguel Varela, Sócio nº 11.080-0. Doutorado em Economia de Empresa, Director do Instituto Superior de Gestão e ex-membro do Conselho Leonino;

– Sérgio Félix, Sócio nº 93.101-0. Pós-Graduado em Gestão, Licenciado em Contabilidade e Administração, Contabilista Certificado;

– Fernando Carvalho, Sócio nº 4.737-0. Empresário e ex-membro do Conselho Fiscal e Disciplinar do Sporting;

– Pedro Miguel Monteiro Carrilho, Sócio nº 36.521-0. Médico Licenciado pela Faculdade de Medicina de Lisboa, Auditor da Equipa Regional de Apoio da ARSLVT, Investigador Principal/Coordenador de vários estudos de investigação e Empresário.

3 – Convocação de uma Assembleia Geral Ordinária para o dia 17 de junho, para aprovação do Orçamento da época 2018/19, aprovação de duas alterações estatutárias e análise da situação do clube e prestação de esclarecimentos aos sócios, conforme anexo.

4 – Convocação de uma Assembleia Geral Eleitoral para a Mesa da Assembleia Geral e para o Conselho Fiscal e Disciplinar para o dia 21 de julho.

Para que não subsista nenhuma dúvida no universo leonino, informa-se que não se realizará qualquer Assembleia Geral no dia 23 de Junho.

Com todas estas medidas o Conselho Diretivo consegue, deste modo, assegurar o normal funcionamento do clube, a defesa dos superiores interesses do Sporting Clube de Portugal, garantindo ainda a continuidade de processos como:

– Empréstimo Obrigacionista na SAD;

– Contratualização da reestruturação financeira;

– Normal funcionamento da época desportiva que está a decorrer em várias modalidades, bem como a preparação da próxima época desportiva das 55 modalidades, entre elas o futebol.