Organização Mundial de Saúde

Distúrbio com videojogos já é classificado como doença mental pela OMS

126

A OMS classifica agora os "distúrbios com videojogos" como um problema de saúde mental. Número de casos problemáticos é uma minoria, mas organização alerta quem se dedica à atividade para ter atenção.

Getty Images

Autor
  • Catarina Gonçalves Pereira

Os “distúrbios com videojogos” foram classificados pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como um problema de saúde mental na nova edição da Classificação Estatística Internacional de Doenças, publicada esta segunda-feira. A condição diz respeito a uma “falta de controlo crescente” no período superior a um ano, durante o qual se dá cada vez mais importância aos videojogos e menos a outras atividades do quotidiano. O número de casos problemáticos é, contudo, uma minoria.

O padrão de comportamento passa por deixar de parte atividades diárias para dar uma crescente atenção a este tipo de atividade, com uma série de consequências negativas como é o caso do aparecimento de sintomas como irritabilidade e dificuldades em dormir. Ao jornal Público, o psicólogo Pedro Hubert, coordenador do Instituto de Apoio ao Jogador (IAJ), disse que, atualmente, 20% dos pacientes que chegam ao IAJ se queixam de problemas específicos com videojogos. “Há provas científicas de que o estímulo para jogar pode ser tão forte como a nicotina e outras drogas”, explica.

O especialista, que se foca no tratamento de dependências associadas aos jogos em Portugal, diz que “há cada vez mais pais preocupados por não saber como ajudar os filhos” que vivem cada vez mais dependentes dos videojogos e que, para além de se isolarem, começam a ter dificuldades na escola. O facto de o distúrbio ser reconhecido pela organização como um problema de saúde mental fará com que os profissionais de saúde tenham maior atenção aos riscos de desenvolvimento da doença e com que se tomem medidas de tratamento, mas também de prevenção.

A OMS sublinha, porém, que há estudos que mostram que o distúrbio “afeta apenas uma pequena proporção de pessoas que se dedicam a atividades de jogos digitais ou videojogos”, mas ainda assim pede cautela a quem o faz. “As pessoas que se dedicam a esta atividade devem estar alerta sobre o tempo que passam com videojogos, especialmente quando leva a ignorar outras atividades diárias”, lê-se no guia.

Mas há mais alterações neste novo manual. O capítulo dedicado à saúde sexual passa a abranger o transtorno de identidade de género — que era antes classificado como uma doença mental. Esta alteração, diz a OMS, advém do facto de ser “claro que não é um distúrbio mental”, uma classificação que “causa um enorme estigma para as pessoas transgénero“. Em 2017, o Parlamento Europeu já tinha pressionado a organização para “retirar os transtornos de identidade de género da lista de transtornos mentais”.

A nova edição do manual — que é considerado a base para identificar tendências e estatísticas sobre doenças em todo o mundo — entra em vigor a 1 de janeiro de 2022.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Governo

Pode alguém pedir que se aja com escrúpulos?

Rita Fontoura
544

A falta de escrúpulos está a destruir o nosso país. Fomos enganados e estamos a ser enganados. É algo que não salta à vista e por isso engana, o que não espanta já que quem nos governa teve bom mestre

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)