As palavras de Lutz Meschke, membro da administração da Porsche, não deixam grande margem para dúvidas, em relação à Rimac: “Ao desenvolver desportivos eléctricos de dois lugares, como o Concept_One ou o C_Two, além de sistemas completos para veículos, a Rimac demonstrou impressionantes credenciais no campo da electromobilidade.” De seguida, Meschke concluiu: “Achamos que as ideias e as abordagens da Rimac são extremamente promissoras, sendo esta a razão pela qual esperamos iniciar uma colaboração.”

Este reconhecimento do valor e potencial da Rimac, por parte da Porsche, só é possível por os croatas controlarem tecnologias e soluções que ainda faltam à marca germânica – de outra forma, provavelmente,não haveria negócio. E deverá soar a cânticos celestiais para os técnicos que criaram a Rimac, numa garagem em 2009, e hoje empregam 400 pessoas e produzem o 1º e o 2º hiperdesportivos mais rápidos do mundo, com o mais veloz a ser capaz de atingir 100 km/h em 1,95 segundos.

A Porsche adquiriu 10% da Rimac Automobili que, além dos dois hiperdesportivos já mencionados, foi igualmente a empresa escolhida por Adrian Newey, o mago engenheiro que assegurou quatro campeonatos do mundo consecutivos à da equipa de F1 da  Red Bull e que agora é o responsável pelo desenvolvimento do Aston Martin Valkyrie. Como este vai ser um hiperdesportivo à antiga, com um enorme motor V12 a gasolina, vai necessitar também de um sofisticado sistema híbrido tipo Kers, decalcado do utilizado pelos F1, mas maior e menos limitado. E é aqui que entra a Rimac, eleita pela Red Bull e pela Aston Martin para fornecer essa sofisticada tecnologia.

Além de baterias de alta voltagem e potentes sistemas eléctricos, a empresa croata está ainda a desenvolver interfaces homem-máquina e as bicicletas eléctricas da Greyp Bikes, que fundou em 2013.

Segundo Mate Rimac, o CEO, “esta parceria com a Porsche é um passo importante para tornar a Rimac um fornecedor de componentes e sistemas de topo para a indústria automóvel, no que respeita à electrificação, conectividade e sistemas avançados de ajuda ao condutor”. E se (ainda) houver dúvidas sobre o que a Rimac e a Porsche pretendem retirar desta nova parceria, basta fixarmo-nos nas declarações dos seus responsáveis.