479kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

Queixas da Uber aumentaram 112% desde o início do ano

Este artigo tem mais de 4 anos

Nos primeiros cinco meses de 2018, a Uber registou 70 reclamações no Portal da Queixa, um aumento de 112% relativamente ao ano passado. Os táxis registaram 36 reclamações.

i

WILL OLIVER/EPA

WILL OLIVER/EPA

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Nos primeiros cinco meses de 2018, a Uber registou 70 reclamações no Portal da Queixa, um aumento de 112% relativamente ao ano passado. A ANTRAL (Associação Nacional dos Transportes Rodoviários em Automóveis Ligeiros, a entidade que representa os táxis) registou 36 reclamações, mais 44% do que em 2017.

A ANTRAL, registada no Portal da Queixa desde 2012, tinha esta quarta-feira um total de 282 reclamações. Em comparação, a Uber, que está na plataforma desde 2016, regista 230 (menos 52 que os táxis). O índice de satisfação da ANTRAL (52,4) é assim superior ao da Uber (34,2). No entanto, é a Cabify que regista o mais índice de satisfação (60,4).

Porque se queixam os portugueses?

Os motivos de reclamação são os mesmos para as duas empresas: a cobrança indevida e tarifas abusivas e a irresponsabilidade e má educação dos motoristas. A Uber recebe ainda queixas por falhas no serviço e por débitos realizados sem pedido de transporte.

Os utilizadores da Uber queixam-se ainda da reduzida taxa de respostas (54,9%) e da baixa taxa de resolução dos problemas dos consumidores. Em comparação, a ANTRAL apresenta uma taxa de resposta de 99%.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.