Sousa Cintra confirma o despedimento do treinador Mihajlović e diz que vai apresentar novo nome até ao início da próxima semana. O atual presidente da SAD acusa o treinador sérvio de custar 300 mil euros ao clube de Alvalade com as alterações que queria introduzir no estágio de preparação da próxima época.

“É carta fora do baralho”, resumiu o presidente da SAD. Numa intervenção breve, apenas para “acalmar dúvidas” dos adeptos, Sousa Cintra confirmou o despedimento de Mihajlović e anunciou que até à próxima segunda-feira quer ter um novo nome para apresentar aos sócios.

As razões apresentadas por Sousa Cintra para rescindir o contrato com o sérvio estão relacionadas com as primeiras decisões tomadas pelo sérvio nos dias inaugurais em Alcochete. “Começou a treinar no dia 18 e primeira coisa que ele fez — falou com a equipa médica, com os observadores, com os guarda-redes –, mas primeira coisa foi alterar o estágio da equipa de futebol do Sporting”. Ora, diz o presidente da SAD, isso teria consequências.

“Como é possível alterar” o que estava programado?, questiona-se Sousa Cintra. “O Sporting tem compromissos no estágio, quatro jogos a fazer” e cancelar ou alterar partidas já programas “faz logo com que o Sporting perca 300 mil euros”, sublinhou o dirigente. “Perante estas atitudes e as que ia tomar, e como está no tempo de experiência, o Sporting, e eu em particular, que assumi essa responsabilidade, decidimos terminar contrato”, resumiu.

O perfil do novo comandante da equipa está traçado: “Um treinador com garra, força” e que agarre “a ambição do Sporting”. E os objetivos também estão traçados: “Se alguém estava convencido de que o Sporting ficava moribundo, enfraquecido, enganaram-se”, diz o presidente da SAD. “Acredito muito sinceramente que o Sporting vai lutar para ser campeão”, garante. “Digo isto de coração, acredito que o Sporting este ano possa ser campeão”.

Augusto Inácio, que chegou a ser avançado como um nome possível para orientar a equipa de Alvalade, não é opção. “Gosto muito do Augusto Inácio, é uma pessoa da casa, foi aqui campeão, mas não vai ser treinador”, esclarece Sousa Cintra. Futre, que nos últimos dias esteve a dar apoio à direção provisória, também não estará no leque do dirigente leonino. “Não posso recusar quem quer ajudar o Sporting, [mas é] só isso, mais nada eAaté segunda-feira vão perceber se é português ou estrangeiro”, disse. “Vocês vão gostar.”

Sousa Cintra assume que está “preocupado com o assunto” da saída de nomes de destaque na equipa principal de futebol, depois da invasão de Alcochete e das agressões a jogadores e equipa técnica. E manifesta o desejo de que os jogadores que manifestaram e formalizaram a intenção de deixar o clube “possam voltar”. “Estou preocupado com o assunto, é o património do Sporting, aqueles jogadores mais importantes, eu gostava muito deles e gosto”, admitiu em conferência de imprensa.