Restaurantes

O Mini Bar de Avillez está quase a chegar ao Porto

163

Está tudo pronto para mais um espaço de José Avillez a norte. O conceito é o mesmo do Mini Bar de Lisboa, mas o espaço é bem diferente. E há novidades na carta.

Autor
  • Beatriz Silva Pinto

As luzes néon vermelhas indicam o local, não há que enganar. Há um novo espaço de cozinha de autor no Porto. O nome, esse, já é familiar – Mini Bar, de José Avillez. O espaço, que irá abrir nos próximos dias na Rua da Picaria, mas que ainda não tem data de estreia definida, replica o conceito do bar gastronómico já existente em Lisboa.

Quatro anos depois da chegada do Cantinho do Avillez à Rua Mouzinho da Silveira, nasce agora, a minutos de distância, um espaço assinado pelo mesmo chefe, mas que em nada se assemelha ao primeiro. O Cantinho é familiar, acolhedor. O Mini Bar é noturno, sensual. Logo à entrada, os tons avermelhados e o veludo dominam, num espaço iluminado (e sonorizado) por néons vibrantes. Dois lances de escadas descidos, encontramos uma sala mais intimista, de paredes almofadadas e tetos espelhados. Ao todo, no piso da entrada e no inferior, cabem 70 pessoas.

O chefe Gonçalo Henriques é quem vai estar à frente deste novo espaço, depois de quatro anos no Cantinho do Avillez do Porto. Ao Observador, revelou as principais diferenças entre os locais:

No Mini Bar, as porções são mais pequenas, há mais detalhe no empratamento, mais atenção ao pormenor. No fundo, é mais sofisticado. O objetivo das pequenas porções é que as pessoas possam desfrutar de vários pratos e possam ter uma experiência mais completa. Queremos que o cliente vá numa viagem quando está connosco.”

Portanto, o conceito é em tudo semelhante ao de Lisboa – pratos servidos em pequenas doses que apostam na surpresa, nos contrastes entre o que olhar e o palato absorvem. Mas a carta, essa, traz novidades: há novos pratos para degustar, criados exclusivamente para o espaço portuense. Para os amantes de peixe, Avillez fez a sua versão de Fish & Chips (8,5€), um prato feito de pequenos “nuggets” de bacalhau acompanhados por iogurte e batatas com cebolinho e a kimchi. Para quem se inclina mais para as carnes, e porque não podia faltar uma das mais típicas iguarias portuenses, há tripas. Ou melhor, há Chartreuse de vitela branca e foie gras com tripas à nossa moda e trufa (um prato que está incluído no Menu em Cartaz, que fica por 45€).

Em Lisboa, a opção mais procurada pelos clientes é o menu. E, para quem não se quer perder entre os pratos e procura uma experiência mais completa, é mesmo essa a opção que Gonçalo Henriques recomenda. Há dois à escolha: o Em Cartaz (45€), em que o cliente já sabe o que vai receber à mesa, e o Épico (55€), que é uma surpresa que fica nas mãos do chefe. Se optar por fazer o seu próprio menu de degustação, com bebida, o preço ronda os 60€. Para o ajudar, o chefe aponta os pratos mais emblemáticos: as Gambas do Algarve em ceviche (8,6€), o “Cornetto” temaki de tártaro de atum com soja picante (7€) e o “Cornetto” de tártaro de novilho com emulsão de mostarda (6,8€).

Tal como explica Gonçalo Henriques, “a ideia do Mini Bar é dar a entender que nem tudo é o que parece, jogar com as expectativas e com as ideias instituídas que as pessoas têm sobre as coisas”. Se aceita o desafio e quer brincar com os sentidos, também vale a pena provar o “Ferrero Rocher”, o Sabutini com azeitona explosiva e, para acabar a refeição, o Iogurte de framboesas com mascarpone e suspiros. Para beber, há diversos cocktails especiais, vinhos e cervejas artesanais.

O Mini Bar vai estar aberto todos os dias a partir das 19h, sendo que, de quinta-feira a sábado, a partir das 22h, a música ficará a cargo de um DJ. Os menus de degustação estão disponíveis até à meia-noite, mas até à 1h pode pedir à la carte. A hora de fecho é às 2h.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Comentário Político

A indisposição conservadora

António Pedro Barreiro

O conservador não tem nada em comum com a Esquerda pós-moderna e libertária, rendida a uma “cultura de repúdio” por todas as instituições, práticas, arranjos e costumes herdados da experiência passada

Ucrânia

Mais umas eleições falsas em Donbas

Inna Ohnivets

A Rússia não quis a paz em 2014 e não quer em 2018. A realização destas eleições fraudulentas é um sinal claro de que a Rússia optou por prolongar o conflito durante mais anos sob o mesmo cenário. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)