Johnny Depp

Johnny Depp chegou a acordo com ex-representantes

Johnny Depp chegou a acordo com a empresa que geria o seu dinheiro, depois de a ter acusado de má gestão e ocultação do estado das finanças. O acordo coloca um ponto final na batalha judicial.

Getty Images for BFI

Autor
  • Catarina Gonçalves Pereira

Johnny Depp chegou a acordo com os antigos gestores de negócios, que o acusaram de levar um estilo de vida excêntrico, que não podia suportar. O acordo coloca assim um ponto final na batalha judicial que se arrastava há já algum tempo e que tinha pedidos de indemnização milionários de ambas as partes. O ator tinha reclamado 25 milhões de dólares, cerca de 21 milhões de euros, pelos gastos e por danos morais.

Depp está satisfeito por ter chegado a um acordo com a The Management Group“, afirmou na segunda-feira o seu porta-voz. Não há, no entanto, mais detalhes sobre todo o processo. De acordo com a BBC, o comunicado diz que o acordo “demonstra que Johnny Depp está determinado a tomar as medidas necessárias para proteger a sua reputação pessoal e artística nos interesses da sua família e carreira”.

O comunicado informa ainda que o ator agradece profundamente “aos verdadeiros apoiantes”, que, nos últimos anos, “demonstraram a sua lealdade para com ele e com a sua família”. O porta-voz disse ainda que Depp quer “centrar toda a atenção” no filme que aí vem — “Monstros Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald” –, bem como na sua banda, Hollywood Vampires.

Recorde-se que em janeiro de 2017, o ator processou a empresa The Management Group (TMG), acusando-a de ter administrado o seu dinheiro de forma errada, fazendo empréstimos sem a sua autorização e ocultando a degradação das suas finanças. Recentemente, em entrevista à Rolling Stone, Depp admitiu que gastava muito dinheiro em álcool: “É um insulto dizerem [TMG] que gastava 30 mil dólares por mês em vinho. Porque era muito mais.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
António Costa

O caminho para lado nenhum /premium

Rui Ramos

O sucesso de António Costa reflecte a capacidade de que a oligarquia política continua a dispor, numa sociedade envelhecida e dependente, de fazer pagar por todos o que só beneficia alguns. 

Assalto em Tancos

Tancos: é ainda pior do que parece

Bruno Cardoso Reis

Se é certo que em Portugal as Forças Armadas sempre serviram para bem mais do que fazer a guerra, hoje em dia essas outras tarefas são cada vez mais numerosas e cada vez mais vitais. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)