Rádio Observador

Johnny Depp

Johnny Depp sobre a profunda depressão: “Eu desci tão fundo como nunca imaginei”

631

Johnny Depp falou sobre a profunda depressão em que entrou e contou que gastava "muito mais" de 30 mil dólares por mês em vinho.

Getty Images

Johnny Depp contou, em entrevista à Rolling Stone, como têm sido os anos mais complicados da sua vida. O ator — que se mostrou “divertidíssimo” — falou sobre a “profunda depressão” em que entrou devido aos problemas pessoais e financeiros e sobre o casamento com Amber Heard e lamentou o facto de os filhos ouvirem rumores na escola sobre as suas dívidas.

Numa longa entrevista publicada na quinta-feira, o ator de “Piratas das Caraíbas” confessou que entrou em “depressão profunda” quando, simultaneamente, surgiram na sua vida problemas amorosos e de dinheiro. “Eu desci tão fundo como nunca imaginei“, disse o ator, acrescentando: “O próximo passo era: “Vais chegar a algum sítio com os olhos abertos e vais sair de lá com eles fechados.” Não conseguia aguentar a dor todos os dias”.

Em maio de 2016 foi anunciado o divórcio de Depp com a também atriz Amber Heard e, em fevereiro do ano seguinte surgiram as primeiras notícias que davam conta das dificuldades a nível económico. Foi acusado pelos seus antigos gestores de negócios de levar um estilo de vida excêntrico, que não conseguia manter — gastava dinheiro em férias, iates de luxo e vinho, mas também na coleção de arte, em segurança e aviões particulares. A partir daqui foi uma bola de neve: a fortuna, estimada em 650 milhões de dólares, estava cada vez menor e o ator cada vez mais endividado.

Sobre os caprichos, Depp contesta a informação passada pelos antigos administradores, que asseguravam que gastava 30 mil dólares (cerca de 25 mil euros) em vinho. “É um insulto dizerem que gastava 30 mil dólares por mês em vinho. Porque era muito mais“, admitiu o ator. Era no álcool que encontrava o refúgio para os problemas: “Bebia vodka pela manhã e começava a escrever até que as lágrimas me enchiam os olhos e eu não conseguia mais ver a página”, contou.

Eu tentei continuar a perceber o que é que tinha feito para merecer isto. Eu tentava ser bom com toda a gente, ajudar toda a gente, ser verdadeiro com toda a gente (…) A verdade é o mais importante para mim. E mesmo assim aconteceu tudo isto”, prosseguiu.

Uma das acusações de que também é alvo é de ter gasto grandes quantidades de dinheiro depois da morte do jornalista e amigo Hunter S. Thompson, que se suicidou em fevereiro de 2015, ao mandar disparar as suas cinzas numa cerimónia privada. “Não foram três milhões que gastei ao mandar explodir as cinzas de Hunter. Foram cinco milhões“, contou à publicação norte-americana.

A separação de Amber Heard — que aconteceu depois de a atriz o ter acusado de violência doméstica e de ter interposto uma providência cautelar contra Depp — surgiu em agosto de 2016, quando os dois chegaram a acordo no processo de divórcio. Na altura, disseram em comunicado que “a relação foi intensamente apaixonada e, por vezes, volátil, mas sempre unida pelo amor. Nenhuma das partes fez acusações falsas para obter ganhos financeiros” e que “nunca houve a intenção de causar danos físicos ou emocionais.”

O ator lamentou ainda, durante a entrevista, o facto de os filhos ouvirem os colegas falarem sobre os seus problemas: “Os meus filhos têm de ouvir os colegas da escola falarem sobre a forma como o pai perdeu todo o seu dinheiro, não é justo”, rematou.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)