Rádio Observador

RTP

Conselho de Opinião da RTP recomenda análise de ações que permitam aumentar receitas

O Conselho de Opinião recomendou à RTP que "analise, tendo em conta o devido enquadramento legal, quais as ações que devem ser promovidas para que as receitas de publicidade possam ser aumentadas".

Tiago Petinga/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O Conselho de Opinião da RTP recomenda a análise de ações que devem ser promovidas para aumentar as receitas de publicidade e reitera a implementação de uma “cultura de segurança” com destaque para a rádio no caso de catástrofe.

Estas são duas das oito recomendações que constam no parecer dos Relatórios de Cumprimento das Obrigações de Serviço Público de Rádio e Televisão e do Projeto Estratégico 2017 (RCOSPPE 2017), elaborado pelo Conselho de Opinião da RTP a que a Lusa teve hoje acesso.

O Conselho de Opinião (CO) recomenda à RTP que “analise, tendo em conta o devido enquadramento legal, quais as ações que devem ser promovidas para que as receitas de publicidade possam ser aumentadas”, bem como “se valorize e implemente uma cultura de segurança, com especial destaque para a rádio, enquanto instrumento de comunicação com as populações em caso de catástrofe”.

O órgão presidido por Manuel Coelho da Silva reitera também que “se reforce o ensino da língua e cultura portuguesa, através de adequada programação, e se aumente o cuidado no seu uso nas diferentes formas de difusão através da rádio, televisão e multimédia”.

Também recomenda que a RTP “dê cumprimento às obrigações de acompanhamento das emissões por e para pessoas com necessidades especiais” e que, em termos de recursos humanos, “seja desenvolvida uma formação e adaptação intensiva dos trabalhadores existentes, desenvolvendo novas competências nos recursos humanos”.

A promoção de uma programação original, inovadora e em horários adequados destinada aos públicos juvenis e o desenvolvimento de uma “organização mais eficiente e moderna, orientada para a prestação de um serviço com elevados índices de produtividade, com uma cultura de adaptação aos novos desafios setoriais”, lê-se no documento.

No que se refere ao cumprimento do Projeto Estratégico, o CO recomenda “que seja desenvolvida uma visão integrada e, sobretudo, uma avaliação global, que permita um novo ciclo de planeamento, reavaliação e reajuste das métricas inicialmente definidas, em função da ‘performance’ atingida e da alteração das condições internas e/ou externas à empresa”.

O órgão salienta que “algumas das recomendações voltam a ser (re)apresentadas porque se repetem as situações para as quais é chamada a atenção”, apontando que “se repetem, igualmente, alguns erros nos documentos distribuídos e eo envio das respetivas correções à posteriori”.

“Só no que respeita ao Conselho de Opinião, produziram-se, no parecer ao RCOSPPE de 2016, oito recomendações (uma delas sobre o apoio pela rádio às populações em caso de catástrofe), que foram totalmente ignoradas. De facto, apenas uma breve referência a um protocolo com a Autoridade para a Proteção Civil é pouco face ao desejável e à tragédia vivida”, aponta o órgão no documento.

No documento, com quase 20 páginas, o CO aponta ainda “o caso paradigmático da RTP2, que apresenta quebras de audiência que não podem ser consideradas despiciendas e que muito preocupam” o órgão.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)