“A Sara é jornalista. Tem uma marca de roupa (…). Casou com o Iker Casillas e é mãe de filhos. A Sara está quase a chegar aos dois milhões de seguidores no Instagram. Definitivamente, a Sara é tudo o que eu não sou”. São palavras que uma colega de faculdade de Sara Carbonero escreveu num artigo publicado no site Tribus Ocultas, do La Sexta.

María Jaminéz escreveu uma reflexão sobre a carreira profissional e a vida familiar da mulher de Iker Casillas e admitiu que tem inveja daquilo que conseguiu. Diz que só agora, aos 34 anos, se deu conta de que duas pessoas que tiraram o mesmo curso, na mesma faculdade, podem ter trajetórias tão diferentes. “A verdade é que a vida dela tem sido muito melhor que a minha“, escreveu no artigo, a que deu o título “Estudei jornalismo com Sara Carbonero e hoje comparo a minha vida com a dela”.

Foi quando viu Sara Carbonero num anúncio publicitário na Gran Vía, em Madrid, que começou a pensar no assunto: “Que diabos fiz eu para não estar ali naquele cartaz?”, pensou. Jaminéz não consegue explicar ao certo se o que sente é uma “inveja saudável”, mas garante que se sente irritada e frustrada consigo própria. “Porquê ela e não eu? Que passo é que ela deu que eu não dei e vice-versa?”, questiona.

A verdade é que não sou tão bonita como a Sara, nem tenho um olhar deslumbrante quando poso para a câmara. Muito menos cuido das minhas redes sociais e não tenho qualquer intenção de criar uma marca de roupa, mas invejo o seu sucesso. Não por ser famosa, mas por ter conseguido tudo. A sério, como é que ela fez para conseguir tudo?”, pode ler-se.

A colega de Sara Carbonero diz ainda que não conseguiu metade do que a influencer conseguiu e que está “exausta” por todos os esforços que fez. “Quando olho para trás, só vejo ‘saltos’ de trabalho em trabalho por causa da crise, (…) relações sentimentais falhadas e autênticos malabarismos para conseguir chegar ao fim do mês“, continua, acrescentando que, para piorar a situação, ao longo da sua carreira já teve de escrever inúmeros artigos sobre a antiga colega de curso. Depois conta um episódio em que, no dia de um exame, Sara chegou à sala de aula com “um top básico” e toda gente ficou calada e a olhar para ela:

Eu não deixo uma turma inteira sem respiração, nem ilumino uma casa com a minha presença. Muito menos cobri o Mundial de Futebol, nem o meu namorado me beijou em frente a toda a Espanha depois de ganhar o Mundial”, escreveu.

Por fim, a colega de faculdade do curso de Ciências da Informação da Universidade Complutense de Madrid confessa que se sente dececionada: “Cada vez estou mais segura de que o que se passa é que estou dececionada comigo mesma”. “Fiz tudo o que podia para vingar, mas obviamente fracassei”, conclui, admitindo que talvez não tenha o talento que Sara Carbonero tem para escrever e comunicar.

O artigo foi partilhado pela rede de televisão espanhola Antena 3 e acabou por atingir uma grande dimensão — foi visto por mais de 100 mil pessoas. Foi também o tema da notícia mais lida no jornal ABC.