Rádio Observador

Religião

Morreu António Rafael, o polémico bispo emérito da Diocese de Bragança-Miranda

O bispo emérito da Diocese de Bragança-Miranda, António Rafael, morreu este domingo aos 92 anos. Ficou conhecido pelas posições polémicas que assumiu ao longo episcopado.

DANIEL KARMANN/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O bispo emérito da Diocese de Bragança-Miranda, António Rafael, morreu este domingo aos 92 anos, tendo ficado conhecido pelas posições polémicas que assumiu ao longo episcopado.

Numa nota enviada às redações, a Diocese de Bragança-Miranda dá conta de que o corpo se encontra no Santuário da Família, na Fundação Betânia, em Bragança, até às 19 horas, seguindo depois para a Catedral, onde terá lugar uma Vigília de Oração, às 21 horas.

A Missa Exequial terá lugar na segunda-feira, às 16 horas, sendo depois sepultado no átrio dos Bispos na Catedral, em Bragança.

António Rafael resignou por ter atingido o limite da idade e passou testemunho, em 2001, a António Montes Moreira, entretanto já substituído também pelo mais jovem bispo de Portugal, José Cordeiro, o atual bispo diocesano.

A insistência durante 22 anos na construção de uma nova catedral em Bragança marcou o episcopado de António Rafael.

Ficou conhecido como o “bispo polémico”, pelas suas intervenções na vida da Diocese e do país, que foram muito além do que à Igreja diz respeito.

Ao longo do seu episcopado pediu ao Governo que criasse incentivos para as famílias numerosas de forma a combater a desertificação que assola o Nordeste Transmontano.

“Façam filhos”, apelou insistentemente aos diocesanos, da mesma forma como combateu a legalização do aborto, comparando-o ao holocausto nazi, e ameaçou não dar os sagrados sacramentos a quem se dissesse a favor desta prática.

Defendeu que os salários dos mais abastados deviam ser congelados até que todo o país recebesse, pelo menos, o salário mínimo nacional.

A sua discordância com a governação de Mário Soares, enquanto primeiro-ministro, foi ao ponto de apelar aos emigrantes portugueses para não enviarem as suas poupanças para Portugal, porque o dinheiro cairia “num saco roto”.

Contra a proposta política votou “não” no referendo sobre a regionalização, apesar de se assumir como um regionalista.

Com a mesma frontalidade, aplaudiu a descriminalização do consumo de drogas, considerando que não se deve castigar um toxicodependente, que é um doente, mas sim os traficantes que são os verdadeiros criminosos.

Contestou também a atribuição do prémio Nobel da Literatura a José Saramago.

Dentro da Igreja foi criticado pelo seu “autoritarismo e reações repentinas”, entre as quais aquelas em que expulsou os jornalistas do Paço Episcopal em situações controversas como a manifestação dos populares de Vilares da Vilariça contra o pároco local.

Enfrentou a contestação das gentes de Miranda da Douro à “despromoção” da Sé de Miranda, ao construir a “igreja mãe”, em Bragança, e à colocação em segundo lugar da terra berço da diocese, na nova designação – “Diocese de Bragança-Miranda”.

D. António Rafael ingressou no sacerdócio aos 22 anos. Foi ordenado bispo em 1977, no mesmo ano em que foi nomeado bispo auxiliar de D. Manuel de Jesus Pereira, o então bispo da diocese.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Jesus Cristo

Santos da casa também fazem milagres! /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
152

Todas as casas reais peninsulares descendem do profeta Maomé. Há uns séculos, este parentesco era muito indesejável mas ainda poderá ser de grande utilidade, se a Europa for ocupada pelo Islão.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)