Rádio Observador

Lisboa

Plataforma Airbnb cobrou 2,6 milhões de euros de taxa turística em Lisboa no 1º semestre

Desde que foi celebrado o acordo com a Câmara de Lisboa, em 2016, a plataforma, que cobra um euro por noite de taxa turistíca, já entregou 8,1 milhões de euros.

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A plataforma ‘online’ de alojamento Airbnb cobrou 2,6 milhões de euros relativos à Taxa Municipal Turística nos primeiros seis meses do ano, perfazendo um total de 8,1 milhões entregues à Câmara de Lisboa desde 2016.

Segundo dados que a plataforma transmitiu à agência Lusa, foram cobrados em Lisboa “2,6 milhões de euros de Taxa Turística no primeiro semestre de 2018”. Desde que foi celebrado o acordo com a Câmara de Lisboa, em abril de 2016, a plataforma já entregou “8,1 milhões de euros”.

Aprovada em 2014, a Taxa Municipal Turística começou a ser aplicada em janeiro de 2016 sobre as dormidas de turistas nacionais (incluindo lisboetas) e estrangeiros nas unidades hoteleiras e de alojamento local, sendo cobrado um euro por noite até um máximo de sete euros.

Desde abril de 2016 que a Airbnb recolhe este dinheiro junto dos seus anfitriões e o entrega ao município. Durante o ano de 2017, a Câmara de Lisboa encaixou 18,5 milhões de euros com esta taxa. Já este ano foi celebrado também um acordo com a Câmara do Porto, que foi implementado em abril.

Segundo informação transmitida à Lusa, a Airbnb entregou à Câmara Municipal do Porto “mais de 963 mil euros em taxa turística”, cobrada entre abril e junho.

Em 1 de março, a taxa turística do Porto (de dois euros por dormida) começou a ser aplicada a hóspedes com mais de 13 anos, num máximo de sete noites seguidas, para “mitigar o impacto da pegada turística” na cidade, definiu a autarquia. Em termos globais, a plataforma já cobrou “9,1 milhões de euros de taxa turística em nome de anfitriões em Portugal, valores relativos às duas maiores cidades do país”.

Apesar de considerar que estes acordos promoverem “a partilha responsável de alojamento e simplificar os processos para todos os intervenientes”, o representante da Airbnb em Portugal considerou que, “infelizmente, as novas regras propostas para o alojamento local irão aumentar a burocracia e os custos”.

Em comunicado, Arnaldo Muñoz salientou que “as novas regras propostas são um passo na direção errada, pois vão prejudicar as famílias locais e aumentar a burocracia para todos”.

O representante apontou que “a Airbnb vai mais além dos hotéis na distribuição de benefícios às famílias e às comunidades locais e torna também mais fácil para os anfitriões pagar sua justa parte dos impostos e contribuir financeiramente para a cidade”. “Queremos tornar mais fácil – não mais difícil — o cumprimento da lei e continuaremos a trabalhar com os legisladores sobre regras baseadas no senso comum”, refere a mesma entidade.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)