Uma série de urinóis amigos do ambiente foram colocados em zonas consideradas “críticas” pelas autoridades francesas, nas ruas de Paris. A medida provocou uma onda de indignação entre parisienses, que consideram que muitos “incitam o exibicionismo”.

No centro da polémica está o urinol instalado em Île Saint-Louis, perto da Catedral de Notre Dame, com vista para o rio Sena, onde barcos carregados de turistas passam todos os dias. Os “Uritrottoir” como são chamados, são, basicamente, uma caixa com uma abertura frontal, idêntico a um urinol normal. Porém, o contentor possui um dispositivo que transforma a urina em composto que depois é usado para adubar parques e jardins de Paris.

O presidente da câmara, Ariel Weil, afirma que estas casas de banho portáteis são necessárias. Para já, foram colocados quatro dispositivos em zonas consideradas críticas pelas autoridades. A colocação de um quinto urinol está planeado, segundo o jornal britânico The Guardian. As críticas foram variadas, desde a falta de estética a comentários sobre sexismo.

Não existe necessidade de pôr alto tão feito neste lugar histórico”, afirma a proprietária de uma loja de arte, Paola Pellizzari, ao The Guardian.

Outros temem que a instalação destes urinóis a 20 metros de uma escola primária “incita ao exibicionismo”. Gwendolin Coipeault do grupo feminista francês Femmes Solidaires afirmou que a medida é altamente sexista. “Os homens não se conseguem controlar e então a sociedade tem que se adaptar”, afirmou. “O espaço público tem que ser transformado para lhes causar o mínimo desconforto. É absurdo, ninguém precisa de urinar na rua”.