A Rússia organiza em setembro as maiores manobras militares desde os anos 1980, que vão mobilizar quase 300 mil militares e unidades da China e da Mongólia, anunciou esta terça-feira o ministro da Defesa russo.

“Vai parecer Zapad-81, mas mais imponente de uma certa maneira”, disse o ministro, Serguei Shoigu, referindo-se às manobras militares de 1981 na Polónia, as maiores alguma vez realizadas pela então União Soviética. Os exercícios militares Vostok (leste) 2018 realizam-se entre 11 e 15 de setembro na Sibéria Oriental e no Extremo Oriente e vão contar com a participação de unidades das forças armadas chinesa e mongol, precisou o ministro, citado pelas agências russas.

Um helicóptero a sobrevoar militares no último exercício militar conjunto entre a Rússia e a Bielorússia em setembro de 2017 AFP PHOTO / Sergei GAPON (Photo credit should read SERGEI GAPON/AFP/Getty Images)

“Mais de mil aviões e cerca de 300 mil militares, ou seja, praticamente todas as forças dos distritos militares Centro e Oeste” vão participar nas manobras. “Imaginem 36 mil engenhos militares a deslocarem-se em simultâneo: tanques, blindados de transporte de tropas, veículos de combate de infantaria. E tudo isso, claro, numa situação tão próxima de uma situação de combate quanto possível”, disse Shoigu.

Segundo Dylan White, porta-voz da NATO, a organização militar está a negociar com a Rússia a possibilidade de observar estas manobras. Num comunicado enviado à BBC, afirmou que “todas as nações têm o direito de fazer exercícios das suas forças armadas, mas é essencial que sejam feitos de uma forma transparente e previsível”.

Desde 2014 que as relações entre a Rússia e a NATO estão tensas desde a anexação da Crimeia. Nos últimos anos a organização militar enviou quatro mil tropas para as estados do leste da Europa pertencentes à NATO.

Em 2017, os exercícios Zapad (oeste) mobilizaram 12.700 militares na Rússia e na Bielorrússia, segundo Moscovo. Segundo a NATO, esses exercícios foram minimizados por Moscovo, tendo envolvido mais de 100 mil homens.

*Notícia atualizada às 21h27 com comentários da NATO