Seis pessoas foram constituídas arguidas por causa da construção da casa de Ricardo Salgado na Herdade da Comporta. A habitação já tinha sido alvo de um processo no Tribunal Administrativo, no qual o Ministério Público pediu a demolição do edifício, mas sabe-se agora que também foi aberto um inquérito-crime, que está a ser investigado pela Polícia Judiciária de Setúbal. De acordo com a revista Sábado, a casa – que fica a 500 metros do mar – só foi construída, em cima das dunas, graças a um conjunto de omissões por parte da Câmara Municipal de Grândola e da Comissão de Coordenação de Desenvolvimento Regional do Alentejo.

Entre os seis arguidos estará Carlos Beato, antigo presidente da Câmara Municipal de Grândola e atual membro da direção da Associação Mutualista Montepio. O relatório final da Polícia Judiciária de Setúbal – que já foi remetido para o Departamento de Investigação e Ação Penal da mesma cidade – indica que os restantes cinco arguidos são Aníbal Cordeiro, à data vereador do Urbanismo, Carlos Matos, chefe da divisão de urbanismo, Joel Sequeira, diretor técnico da obra, e ainda Jorge Honório, então vice-presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Alentejo.