Natureza

Dia internacional do abutre “festejado” com revitalização de espécie mais ameaçada

O abutre enfrenta sérios riscos por todo o mundo, mas quando se celebra internacionalmente o seu dia em Portugal comemora-se também a revitalização da espécie mais ameaçada, o abutre-preto.

ANTÓNIO JOSÉ/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O abutre enfrenta sérios riscos por todo o mundo, mas quando se celebra internacionalmente o seu dia em Portugal comemora-se também a revitalização da espécie mais ameaçada, o abutre-preto, que chegou a estar praticamente extinta no país.

Em Portugal existem três tipos de abutre, o grifo, o abutre-do-egito, ou britango, e o abutre-preto, sendo que as duas últimas espécies são as mais ameaçadas. Só que enquanto existem duas dezenas de casais de abutre-preto, com a população a aumentar, de britango são duas centenas, em franca regressão, disse à Lusa o biólogo Eduardo Santos.

Eduardo Santos coordena o trabalho relacionado com a conservação do abutre-preto na associação ambientalista Liga para a Proteção da Natureza (LPN). Em entrevista à Lusa, lamentou que ainda hoje se tenha em relação ao abutre uma imagem menos positiva, pelo que “muita gente não tem a noção” das ameaças a que está sujeito.

Por isso, no Dia Internacional dos Abutres, “é importante alertar para a sua conservação”, nomeadamente porque as suas características são importantes nos ecossistemas e “peças chave para a sanidade e para o equilíbrio da natureza”, salientou.

Em Portugal existem abutres em regiões próximas da fronteira com Espanha, sendo que o abutre-preto, o mais raro, nidifica na região de Moura, no Alentejo, na zona do Tejo Internacional, Idanha a Nova/Castelo Branco, e no Douro Internacional, na zoa de Mogadouro. Segundo Eduardo Santos a espécie está a recuperar desde 2010 e voltou a reproduzir-se em território nacional, depois de nos anos 70 ter desaparecido enquanto reprodutor.

Hoje há no Alentejo oito casais a reproduzirem-se, disse o ambientalista à Lusa. A informação também faz parte de um comunicado da LPN, no qual se especifica que a reprodução acontece na Herdade da Contenda (empresa municipal de Moura) e que a monitorização foi feita pela LPN, em colaboração com a empresa e com o acompanhamento do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF).

Cinco dos oito casais nidificam em ninhos artificiais e três em ninhos naturais. “Quatro desses casais conseguiram fazer postura de um ovo (como é característico da espécie), dos quais nasceram duas crias”, especifica o comunicado da LPN.

A propósito do dia que hoje se comemora a Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves (SPEA) fala também, em comunicado, do sucesso em relação ao abutre-preto mais a norte do país.

Depois de perderem a cria no ano passado, num incêndio no Parque Natural do Douro Internacional, o único casal de abutre-preto do norte do país viu agora a cria deste ano deixar o ninho

“Tivemos umas noites mal dormidas, mas ver a cria voar compensa toda a ansiedade, e é um prémio bem merecido para todos os envolvidos, que foram incansáveis”, diz citado no comunicado Joaquim Teodósio, da SPEA, coordenador do projeto Life Rupis, de proteção das águias e abutres ameaçados no Douro Internacional. A equipa tem campos de alimentação suplementar para abutres na região.

A monitorização nos parques naturais do Douro Internacional e de Arribes del Duero, Espanha, indicou também a existência de 30 juvenis de britango, segundo as contas da SPEA, que revela ainda que os primeiros britangos já partiram do Douro em direção a África para passar o inverno.

Diz a SPEA que serão mais de 3.000 quilómetros a percorrer nas próximas duas semanas, para uma região entre a Mauritânia e o Mali. Um dos primeiros a partir foi um abutre chamado Douro, exatamente no mesmo dia em que o fez no ano passado, 28 de agosto. A viagem de Douro pode ser seguida através do projeto Life Rupis.

Segundo Eduardo Santos os abutres estão em permanente ameaça de extinção em Portugal, como muitas pressões, sendo a maior parte de origem humana. O envenenamento é a principal causa de morte, mas os abutres também são afetados pela falta de alimentos, “devido às mudanças profundas ao nível da pecuária e às regras sanitárias” que obrigam à remoção de animais mortos no campo.

O responsável fala ainda de outra ameaça, a utilização de um anti-inflamatório de uso veterinário (diclofenac), que está em análise e que pode ser aprovado em Portugal. Qualquer animal tratado com o produto que sirva de alimento aos abutres leva à morte destes, avisou o biólogo.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)