Fundo Monetário Internacional

FMI revê em baixa crescimento do PIB português para 2,3% em 2018

O FMI reviu em baixa a estimativa de crescimento da economia portuguesa para 2,3% este ano, alinhando-a com as previsões do Governo.

JIM LO SCALZO/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O Fundo Monetário Internacional (FMI) reviu em baixa a estimativa de crescimento da economia portuguesa para 2,3% este ano, alinhando-a com as previsões do Governo. No relatório divulgado ao abrigo do artigo IV, numa altura em que o Governo está a preparar a proposta de Orçamento do Estado para 2019, o FMI estima que o crescimento da economia portuguesa “abrande do pico”, moderando gradualmente a médio prazo.

O FMI reviu, assim, em baixa a previsão feita em abril de 2,4% para 2,3%, acertando as suas estimativas com as do Programa de Estabilidade 2018-2022 (PE 2018-2022) do Governo. No entanto, para o próximo ano, o FMI mostra-se menos otimista do que o executivo liderado por António Costa, mantendo a estimativa de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) em 1,8%, caso não sejam adotadas reformas significativas que alterem o atual cenário.

O investimento e as exportações deverão permanecer importantes motores do crescimento, embora a um ritmo mais lento, enquanto o consumo privado deverá aliviar um pouco. O crescimento do emprego deverá também desacelerar e o mercado de trabalho deve continuar a estreitar em 2018, com a média do desemprego a diminuir abaixo de 7,5%, a suportar o crescimento moderado dos salários reais”, refere o relatório.

O FMI estima que em 2018, o saldo da balança externa se deteriore devido ao crescimento das importações e que o défice orçamental caia, ajudando a reduzir os rácios da dívida pública, embora a trajetória da dívida pública “continue sujeita a riscos significativos”.

O défice deverá, assim, alcançar 0,7% do PIB em 2018 e a dívida pública deverá chegar a 121% do PIB no final do ano, abaixo dos 126% de 2017 e, mantendo constantes as políticas públicas, deverá baixar para os 103% até 2023. O FMI alerta, no entanto, que a dívida pública portuguesa continua sujeita a riscos externos que podem atrasar a sua redução.

“Portugal seria afetado negativamente por um enfraquecimento significativo do crescimento da zona euro”, alerta a equipa do FMI que produziu o relatório, alertando ainda para a “renovada” instabilidade do mercado relacionada com a incerteza da política nos países da área do euro, que poderão resultar numa subida das taxas de juro. Da mesma forma, um aperto adicional das condições de financiamento a nível global poderá afetar as empresas e famílias endividadas.

Daí que, a cerca de um mês de ser conhecida a proposta de Orçamento do Estado do atual governo, a instituição liderada por Christine Lagarde volte a reforçar os apelos a um maior esforço de consolidação. O plano, sugere o FMI, deve passar por por ir mais longe do que o previsto neste e no próximo ano no cumprimento das metas de redução do défice público e por apostar numa maior poupança nas despesas com pessoal e com pensões. Daí que o FMI destaque a importância das negociações para o Orçamento entre os vários partidos à esquerda e o receio de que as medidas em discussão (que não estão previstas do Programa de Estabilidade) impliquem um aumento da despesa e não o contrário. E isso, reforçam, coloca em causa o objetivo de um excedente orçamental em 2019.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Impostos

Que ficou por fazer na tributação das mais-valias?

Gonçalo Bastos Lopes e Catarina Ribeiro Caldas

Pena foi que não se tenha aproveitado o OE 2019 para proceder à revisão do regime de tributação das mais-valias, devolvendo-lhe coerência e eliminando o potencial de litígio entre contribuintes e a AT

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)