Rádio Observador

Cuidado: está quente

Henrique Sá Pessoa: Já se “tapisca” no Porto

Depois de Lisboa, o Tapisco, restaurante do chef Henrique Sá Pessoa, abriu no Porto. Há mais espaço e mais pratos com sotaque nortenho – nem tripas faltam na ementa

É o primeiro restaurante de Henrique Sá Pessoa no Porto e, apesar de ainda não ter aberto oficialmente, as noites têm sido de casa cheia. O Tapisco, que abriu em Lisboa há ano e meio e que, nas palavras do chef, “junta o melhor da cozinha espanhola com os clássicos da cozinha portuguesa” instalou-se no número 165 da Rua de Mouzinho da Silveira, no final de agosto, e está, para já, a servir jantares a partir das 19h.

À entrada, o frenesim da cozinha aberta, rodeada por um balcão. Um patamar abaixo, uma sala acolhedora, retro, como que teletransportada dos anos 70, revestida de azulejos da cor do vinho e espelhos e com rasgadas janelas viradas para uma das mais movimentadas ruas da Baixa do Porto. Não é, por isso, surpresa que a maioria dos clientes que o restaurante tem recebido seja turista – acima da música popular brasileira de fundo, levanta-se tão alto o inglês como o português.

Estrangeiro ou portuense, o melhor é ir acompanhado e com vontade de petiscar do prato próprio e do alheio – até porque a partilha de iguarias é incentivada e as doses dos “Tapiscos” são generosas. A carta, que chegou ao Porto com seis novidades, “agrada a gregos e troianos” e adequa-se a todos os (grandes ou pequenos) apetites, garantiu Sá Pessoa ao Observador: “Dá para quem quer beber um copo e comer um croquete, dá para quem quer jantar e comer um prato mais consistente, dá para quem quer petiscar algo, dá para quem quer comer um prato leve ao almoço.”

Comecemos pelos petiscos: tal como em Lisboa, o delicado e fresco Tártaro de Atum com abacate e “ovas” de wasabi (17€) e o La Bomba (8€) – puré de batata recheado com guisado de alheira e carne com maionese de alho e molho picante da casa – têm-se mantido como favoritos. Nos pratos principais a história é outra. A carta portuense traz novidades com sotaque nortenho – e são essas que mais têm chamado a atenção dos visitantes –, como o Polvo à Lagareiro com batatinha assada (18€), a Posta Minhota Galega (23€) e as Tripas à moda do Porto (17€).

Consensual permanece o Bacalhau à Brás com gema confitada (15€), que “é sempre um best-seller em qualquer parte do país, favorito dos estrangeiros e, particularmente, dos brasileiros”, adianta Sá Pessoa. Pessoalmente, o chef inclina-se mais para o Prego de Choco Frito com maionese de coentros e lima (12€), que lhe “enche as medidas”, e destaca os pratos de jamón, feitos com “um dos melhores presuntos de Espanha”. Para acompanhar, chá gelado, um vinho ou um dos famosos cocktails de assinatura com vermute (10€). E, antes de fechar a refeição – que se quer demorada – vale a pena provar a nova sobremesa de Morangos com bolo de azeite e sabayon de vinho do Porto (6€), a mais pedida até à data.

Tal como já havia feito em Lisboa, o Tapisco promete “boa cozinha, bom ambiente, serviço simpático e descontraído”, explica o chef. Mas, desta vez, com mais espaço. A procura de casa foi demorada – Sá Pessoa admitiu que já queria abrir um espaço no Porto “há algum tempo”, mas faltava encontrar a localização certa. Valeu a pena. Para lá da localização central, o restaurante portuense tem lotação de 59 lugares (9 deles ao balcão), o dobro do espaço a sul.

Para já, a contratação de pessoal e formação de equipas ainda está a decorrer, pelo que o horário do restaurante é restrito. Mas espera-se que, no início de outubro, o Tapisco comece a funcionar plenamente entre as 12h e a 00h.

Tapisco
Rua de Mouzinho da Silveira, 165, Porto
Das 19h às 24h (não fecha)
222 080 783
25€ por pessoa (preço médio)

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)