Rádio Observador

Indonésia

Vulcão entra em erupção na mesma ilha atingida por tsunami na Indonésia

1.938

Cinco dias depois de um tsunami devastador que matou mais de 1.200 pessoas, um vulcão na mesma ilha indonésia entrou em erupção. Coluna de fumo tem 6 km de altura. Aldeias ainda não foram evacuadas.

AFP/Getty Images

O vulcão Soputan, na Indonésia, entrou em erupção na mesma ilha que foi atingida por um sismo de magnitude 7,5 na escala de Richter e de um tsunami que matou pelo menos 1.234 pessoas. Uma coluna de fumo com seis mil metros de altura ergueu-se esta manhã por cima do monte Soputan, ilha de Sulawesi, obrigando as autoridades locais a acionar o código laranja para a aviação.

Há vários meses que uma erupção deste vulcão, um dos mais ativos da ilha, era esperado: as câmaras térmicas já tinham detetado lava com temperaturas muito altas junto ao cume do monte e a atividade sísmica também tem aumentado por lá.

O ministério da Energia e Recursos Minerais ainda não evacuou nenhuma aldeia: apenas pediram à população que se mantivesse a uma distância mínima de quatro quilómetros em redor do vulcão, que nos últimos 600 anos já entrou em erupção 39 vezes. Além disso, os indonésios residentes em Sulawesi são aconselhados a utilizarem máscaras de proteção contra o fumo e as cinzas.

Ainda não é possível saber se o terramoto que abalou a ilha de Sulawesi na sexta-feira passada está relacionado com a erupção vulcânica do Soputan esta quarta-feira. De acordo com o Serviço Geológico dos Estados Unidos, “por vezes” os sismos e erupções vulcânicas estão relacionados: “Alguns grandes terramotos regionais (maiores que magnitude 6) são considerados pelos cientistas como relacionados a uma erupção subsequente ou a algum tipo de agitação num vulcão próximo”.

O mecanismo exato para estes exemplos históricos não é bem compreendido, mas “a atividade vulcânica provavelmente ocorre em resposta a uma mudança na pressão local em torno do sistema de reservatórios de magma como consequência de um tremor de terra severo causado pelo terramoto; ou de uma mudança na “tensão” ou pressão na crosta terrestre na região em torno do local onde ocorreu o terramoto”, diz o serviço geológico norte-americano. Mas os cientistas ainda não sabem se este é o caso na Indonésia.

A Indonésia Oriental localiza-se numa área onde quatro placas tectónicas chocam umas contra as outras: a da Austrália, a de Sonda, a do Pacífico e do Mar das Filipinas. O Serviço Geológico dos Estados Unidos especificou que o epicentro do sismo de sexta-feira aconteceu precisamente por cima do local onde a placa de Sonda se mexe em direção a sul a uma velocidade de 30 milímetros por ano; e a placa da Austrália se mexe para norte a um ritmo de 56 milímetros por ano. À medida que uma avança contra a outra, a placa da Austrália — por ser mais pesada — mergulha por baixo da de Sonda, destruindo-se e abrindo uma fossa com 7.725 metros de profundidade e 400 quilómetros de comprimento. O magma em profundidade, que está gente e precisa de expandir, ganha assim espaço para subir até à superfície terrestre.

A Indonésia é um dos países inseridos no Anel de Fogo no Pacífico, uma região de grande instabilidade geológica circundada por fossas como a das Marianas, que é a mais profunda do planeta Terra. Essas fossas existem porque a Placa do Pacífico, uma das que compõe a crosta terrestre, choca contra várias outras placas — nomeadamente a Indo-Australiana, a das Filipinas, a Norte-Americana, a Euroasiática, a Cocos e a da Antártida. Quando chocam, uma das placas mergulha por baixo da outra abrindo fossas a partir das quais o magma sobe para originar erupções vulcânicas. Nove em cada dez das erupções vulcânicas do planeta acontecem no Anel de Fogo e metade dos sismos registados na Terra são originados lá.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)