Igreja Católica

Papa Francisco aceita renúncia do arcebispo de Washington, um dos líderes mais poderosos da Igreja Católica

O Papa Francisco aceitou a renúncia do arcebispo de Washington, o cardeal Donald Wuerl. O cardeal norte-americano tinha visto o seu nome envolvido em dois escândalos de pedofilia nos últimos meses.

Donald Wuerl tem 77 anos, era arcebispo de Washington e um dos cardeais mais próximos do Papa

Getty Images

Autor
  • Mariana Fernandes

O Papa Francisco aceitou a renúncia do cardeal Donald Wuerl, o arcebispo de Washington e um dos líderes mais poderosos da Igreja Católica, depois de semanas de polémica e contestação face ao papel do cardeal norte-americano em dois escândalos de abuso sexual de menores.

O arcebispo de Washington, atualmente com 77 anos, já tinha tecnicamente apresentado a sua renúncia quando completou 75 anos, assim como fazem todos os bispos e cardeais católicos. Contudo, em raras exceções, alguns elementos da Igreja Católica são autorizados a permanecer em funções até aos 80 anos. Ainda que desde há uns anos tenha mantido um papel relativamente discreto em Washington, a renúncia de Donald Wuerl surge como uma decisão simbólica e importante e representa a queda de um dos mais poderosos líderes católicos.

O cardeal Donald Wuerl, com um percurso de mais de 50 anos nos mais altos corredores da Igreja Católica, é um dos grandes aliados do Papa Francisco e está incluído no reduzido grupo do Vaticano que escolhe os novos bispos, para além de ser um dos apenas dez cardeais norte-americanos. As pressões para a renúncia do arcebispo de Washington começaram a surgir em agosto, quando um relatório de 900 páginas que detalhava crimes de abuso sexual de menores por parte de mais de 300 padres no Estado norte-americano da Pensilvânia abalou a Igreja. Consequentemente, um ex-alto funcionário do Vaticano escreveu uma carta onde acusava Wuerl de ter conhecimento dos casos, para além de omitir e esconder todos os crimes do seu antecessor, o cardeal Theodore McCarrick.

Na carta enviada em agosto, o arcebispo Carlo Maria Vigano, antigo embaixador do Vaticano nas Nações Unidas, acusava Donald Wuerl de estar “a par dos abusos contínuos cometidos pelo cardeal McCarrick e as sanções que lhe foram impostas pelo Papa Bento XVI”. A arquidiocese de Washington defendeu o cardeal ao enviar explicações detalhadas às paróquias daquele Estado e ao negar as acusações de que Donald Wuerl ignorou os casos de pedofilia dentro da Igreja Católica quando era bispo de Pittsburgh.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
História

O Cardeal Cerejeira e o nazismo /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
476

Faça-se a justiça de dizer a verdade: a Igreja Católica sempre declarou a absoluta incompatibilidade entre a fé cristã e a ideologia nacional-socialista.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)