Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O Supremo Tribunal do Estado da Pensilvânia divulgou esta terça-feira um relatório sobre o abuso sexual de menores no seio da Igreja Católica que envolve 300 pessoas ligadas a estrutura religiosa. No mesmo documento, segundo o Washington Post, é explicado o “sistemático” encobrimento que vários líderes religiosos fazem há mais de 70 anos.

O procurador-geral Josh Shapiro afirmou, em conferência de imprensa, que os casos de mais de 1000 crianças são identificados no dito relatório, mas suspeita-se que o número possa ser ainda maior.

Esta investigação, que o jornal norte-americano diz ser a mais “extensa de sempre”, durou 18 meses e extendeu-se a oito dioceses desse estado dos EUA — Harrisburg, Pittsburgh, Allentown, Scranton, Erie e Greensburg. Outras informações explicam que outras duas dioceses podem estar abrangidas.

Shapiro afirmou que o relatório explica detalhadamente este “sistemático encobrimento foi realizado por responsáveis religiosos no Estado da Pensilvânia e no Vaticano”. Somando, no total, cerca de 1400 páginas, a introdução do documento explica poucos dos casos apresentados podem dar origem a um investigação em massa — “como consequência do encobrimento, todos os casos que encontrámos já são demasiado antigos para serem levados à justiça”, explicou Shapiro.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“Intimámos e revimos meio milhão de páginas de documentos internos das dioceses. Eles contêm alegações credíveis contra 300 padres predadores sexuais. Mais de uma centena de crianças foram identificadas a partir dos próprios registos da Igreja. Acreditamos que o número real — de crianças cujos registos se perderam ou que tiveram demasiado medo de fazer acusações — pode chegar aos vários milhares”.

Alguns pormenores e nomes que podem revelar os religiosos listados foram retirados do relatório. Ações legais levadas a cabo pela Igreja atrasaram a divulgação, alegando que os direitos constitucionais dos envolvidos podiam estar em causa. Josh Shapiro afirmou que vai batalhar para reverter estas mesmas edições.

Bispo da Pensilvânia divulga nomes de 71 padres acusados de abuso sexual

Este relatório ajudou a renovar a crise que muitos acreditavam ter acabado há quase 20 anos, depois do enorme escândalo em Boston — e que é que é retratado no filme “Operação Spotlight”. Contudo, recentes escândalos no Chile e na Austrália reabriram uma série de questões acerca da responsabilização e da possibilidade de representantes da Igreja ainda poderem estar a ocultar outros crimes, possivelmente em níveis hierárquicos mais elevados.

O relatório, que foi apresentado pelo grande júri da Pensilvânia, surge depois do Cardeal Theodore McCarrick se ter demitido, há cerca de um mês. McCarrick era uma figura imponente na Igreja norte-americana, um antigo arcebispo do District of Columbia (o famoso “D.C.” que aparece sempre ao lado de “Washington”) e foi acusado de abusar sexualmente de menores durante várias décadas.

“Estamos a lidar com uma luta de muitos anos que não só está ligada à definição de ‘justiça’ como também à noção de ‘memória'”, explicou Jason Berry, um jornalistas e autor que analisa casos destes há vários anos. “A maior parte dos bispos, para lá de terem pedido desculpas, não fizeram muito mais para implementar a mudança”.

Responsáveis da Igreja começaram a preparar-se para o rescaldo deste relatório. Na passada segunda-feira, o arcebispo de D.C., o Cardeal Donald Wuerl — antigo responsável pela diocese de Pittsburgh, avisou uma série de padres através de uma carta onde dizia que o documento em questão iria ser “profundamente perturbador”.

Ronald Gainer, o bispo de Harrisburg, disse no início deste mês que ia remover os nomes de todos os bispos acusados dos edifícios e salas da diocese. O bispo de Erie, Lawrence Persico, contou ao PennLive. com (um diário digital da cidade norte-americana), no mês passado, que o relatório ia ser “desanimado” e bastante “gráfico”.

“Embora esteja à espera que este relatório critique algumas das minhas ações, acredito que o documento confirme que agi com diligência”, escreveu Donald Wuerl à Igreja de D.C., referenciando o tempo que passou em Pittsburgh.

Jason Berry diz que o relatório mostra que a Igreja precisa de uma grande renovação na forma como se auto-policia. Afirmou ainda que a Igreja precisa de uma “separação de poderes, uma supervisão independente”. “A Lei Canónica não está preparada para lidar com este tipo de coisas. Há um enorme e subterrâneo panorama de atividade sexual criminosa que, ao longo dos últimos 30 anos, tem revelado uma ou outra ponta do iceberg“.

O Vaticano tem lidado com o assédio de várias polícias que procuram desmontar e desvendar casos de abuso dentro da Igreja. No Chile, procuradores e polícias estão a fazer buscas a escritórios de igrejas, confiscando documentos e procurando provas de crimes que não foram reportados à polícia.

Parte deste relatório é o exemplo do arcebispo de Santiago (Chile), o Cardeal Ricardo Ezzati, que foi chamado a testemunhar, isto numa altura em que o próprio enfrenta acusações de ter estado envolvido na ocultação de vários casos de abuso. “As pessoas estão basicamente a revoltar-se contra estas ‘vacas sagradas'”, afirmou Juan Carlos Cruz, um chileno vítima de abusos sexuais que, no início deste ano, passou vários dias com o Papa. “Nos anos 70 e 80, a igreja era um farol do meu país. É incrível ver esta mudança de 180 graus. Pessoas que veneravam a igreja, agora, desprezam-na”.

A crise no Chile é só mais um caso nesta nova vaga de revelações ligadas ao assédio sexual de menores e que tem colocado alguma pressão no Papa Francisco. Em França, o Cardinal Philippe Barbarin está a enfrentar um processo criminal por não revelar um caso de abuso sexual. Na Austrália, um arcebispo foi condenado recentemente por omitir outro caso de abuso sexual.