A Polícia Judiciária (PJ) do Porto deteve o presidente do Turismo do Norte, Melchior Moreira, por suspeitas de corrupção. Na operação divulgada esta quinta-feira pela diretoria do norte da PJ, as autoridades revelam que foram detidos dois outros dirigentes do Turismo do Norte e dois empresários que beneficiaram do esquema, naquela que é conhecida como Operação Éter.

Em causa está um esquema de alegada corrupção que teria como principal objetivo favorecer duas empresas, uma de comunicação e outra da área tecnológica, na adjudicação de ajustes diretos. Tais adjudicações, além de ilícitas por alegadamente não respeitarem as regras da contratação pública, terão levado ao desvio de mais de 7 milhões de euros em apenas dois anos dos cofres do Turismo do Porto e Norte de Portugal. Tudo terá começado em 2016.

O presidente desta entidade pública, Melchior Moreira, é encarado pela investigação da PJ do Porto como o principal arguido, sendo um dos cinco detidos na operação Éter. Melchior, que já tinha sido alvo de buscas e constituído arguido há quatro meses, é suspeito de um conjunto muito alargado de crimes, estando mesmo indiciado pelo crime de corrupção ativa (quem alegadamente solicita e paga a vantagem) como pelo crime de corrupção passiva (quem alegadamente recebe e aceita dar a vantagem). Uma das vantagens alegadamente recebidas pelo líder do Turismo do Porto e Norte Portugal estará relacionada com o pagamento de férias no Algarve, segundo o Correio da Manhã.

Melchior Moreira é igualmente suspeito de peculato, recebimento indevido de vantagem, prevaricação, participação económica em negócio, abuso de poder e falsificação de documento.

Segundo o Correio da Manhã, um dos empresários detidos é a mulher do presidente da Câmara do Santo Tirso e administradora da W Global Communication, Manuela Couto. Trata-se de uma empresa de comunicação que, além de assessoria de comunicação, receberia igualmente ajustes diretos para a realização de campanhas publicitárias. Foi igualmente detido o gestor da empresa tecnológica alegadamente favorecida.

Do lado do Turismo do Porto e Norte de Portugal foi igualmente detida Isabel Castro, chefe de gabinete do Turismo do Porto e Norte. Os cinco arguidos detidos deverão ser ouvidos esta sexta-feira no Tribunal de Instrução Criminal do Porto, estando detidos nas instalações da PJ do Porto onde irão passar a noite.

Investigação vai ter novas fases

Ao que o Observador apurou, a detenção de Melchior Moreira e de mais quatro pessoas corresponde apenas a uma primeira fase da investigação. O caso é complexo e tem várias ramificações, esperando-se novas fases e mais detenções. É expectável que a investigação chegue a mais instituições públicas do Norte de Portugal.

Segundo o Correio da Manhã, houve buscas na sede do Sporting de Braga e do Vitória de Guimarães. Ao que o Observador apurou, haverá suspeitas de que os clubes terão sido favorecidos pelo mesmo esquema. As buscas resultaram na apreensão de prova indiciária para os autos da Operação Éter

Na operação foram feitas buscas domiciliárias e não domiciliárias em “entidades públicas e sedes de empresas”. As 11 buscas foram feitas nas regiões de Porto, Gaia, Matosinhos, Lamego, Viseu e Viana do Castelo e estiveram envolvidos 50 elementos da Polícia Judiciária, incluindo inspetores, peritos informáticos e peritos financeiros e contabilísticos.

Os detidos, entre os 42 e os 54 anos, vão ser presentes a tribunal.