Rádio Observador

Ryanair

“Não quero sentar-me ao pé da tua cara feia”. Racismo em voo da Ryanair leva a investigação policial

5.821

Um homem britânico recusou sentar-se junto a uma idosa negra num voo de Barcelona para Londres. Insultou-a e ela acabou por mudar de lugar. Ryanair está a ser acusada de não fazer o suficiente.

Um homem recusou sentar-se junto a uma idosa negra, empurrando-a e obrigando-a a mudar de assento

Um vídeo divulgado este sábado no Facebook e no YouTube mostra um passageiro de um voo da Ryanair entre Barcelona e Londres a recusar que uma idosa negra se sente ao seu lado. No vídeo, é possível ver e ouvir o homem, britânico, a gritar para a idosa: “Não quero sentar-me ao pé da tua cara feia”. Depois de a mulher o interpelar, o homem atirou: “Não me fales numa língua estrangeira, sua vaca feia e estúpida”. As autoridades britânicas e espanholas já estão a investigar o caso.

Os insultos continuaram durante pelo menos três minutos, o tempo do vídeo, e vários passageiros intervieram para pedir à tripulação do voo que expulsasse o homem da aeronave. Porém, apenas um assistente de bordo se aproximou do passageiro para o tentar acalmar e acabou por mudar a mulher de sítio para acabar com a discussão.

Segundo explicou a filha da mulher em causa ao The Huffinton Post, citada pela BBC, a discussão começou porque a mulher, de 77 anos, tem artrite e demorou muito tempo a desviar-se para que o homem se pudesse sentar no seu lugar. O passageiro que filmou o vídeo, David Lawrence, explicou à BBC que “tudo estava calmo” durante o embarque até um homem entrar no avião e começar a falar de forma agressiva para a mulher que estava sentada no lugar junto ao corredor.

“Foi isso que chamou a minha atenção. Era muito alto e muito agressivo. Ele começou a gritar para a mulher, a dizer ‘sai da frente’, ‘mexe os pés’, ‘não devias estar aqui sentada'”, contou David Lawrence, explicando que o homem acabou por empurrá-la e sentar-se no seu lugar, sucedendo-se o que é visível no vídeo.

“Sei que se me estivesse a comportar como ele estava — ou qualquer outra pessoa negra — a polícia tinha sido chamada e teríamos sido expulsas do voo”, comentou a filha da mulher ao The Huffington Post.

[Veja em baixo como vários vídeos ajudaram a punir casos de racismo]

Nas redes sociais, multiplicaram-se as críticas à Ryanair por a companhia aérea não ter feito nada para penalizar o homem. O deputado britânico trabalhista Karl Turner disse que irá levar ao Parlamento do Reino Unido a discussão sobre a forma como as companhias aéreas ignoram estas situações.

À BBC, a Ryanair afirmou que não vai “tolerar comportamentos indisciplinados como este” e que irá levar o assunto mais a sério no futuro. “Comportamentos abusivos ou disruptivos como este irão resultar no impedimento dos passageiros de viajar”, afirmou a companhia aérea. Já a polícia de Essex, a aeroporto de Stansted era o destino do voo, diz estar a colaborar com a Ryanair e com as autoridades espanholas (já que o incidente ocorreu ainda em Barcelona) para investigar o caso.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)