Crime

Associação Aldeias de Crianças SOS julgada por maus-tratos

153

Tribunal de Instrução Criminal do Porto decide avançar com julgamento. Diretor técnico e funcionárias de Aldeia de Gulpilhares, bem como a própria instituição, estão acusados de maus-tratos.

Aldeia de Crianças SOS de Gulpilhares, onde terão ocorrido maus-tratos a menores

Fábio Poço/Global Imagens

A Associação Aldeias de Crianças SOS em Portugal, bem como alguns dos seus funcionários, vão ser julgados por crimes de maus-tratos. A notícia foi avançada pelo Jornal de Notícias, esta sexta-feira. Em causa estarão agressões, insultos e ações de humilhação a utentes, muitos deles menores de idade.

De acordo com o JN, o Tribunal de Instrução Criminal do Porto considerou que havia sustentação na acusação do Ministério Público (MP) para avançar com o julgamento de Rui Dantas, diretor da Aldeia SOS de Gulpilhares entre 2003 e 2015, de várias funcionárias e da própria Associação.

Em causa estarão insultos, acções de humilhação e até agressões como “sapatadas, agarrões e puxões de orelhas”. Segundo o MP, os crimes seriam muitas vezes cometidos contra os utentes mais frágeis, frequentemente crianças e jovens de minorias étnicas ou que demonstravam “tendências homossexuais”.

A Associação Aldeias de Crianças SOS alegou que o MP “partiu do pressuposto errado”, já que garante que Rui Dantas não assumia a liderança da instituição, e reforçou que “os comportamentos dos arguidos foram praticados em violação e contra as ordens expressas” no código de conduta da Associação. Segundo o despacho a que o JN teve acesso, o juiz considerou que Dantas era “quem efetivamente tinha poderes” naquela Aldeia SOS e que a instituição violou o seu “dever de vigilância”, razão pela qual decidiu pela continuação do processo.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cbruno@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)