Carlos Queiroz

“Não tem sido um percurso fácil”: Carlos Queiroz chegou às 100 vitórias ao serviço de Seleções Nacionais

O treinador chegou às 100 vitórias ao serviço de seleções e partilhou parte dos louros com o Irão. "Mais importante do que as minhas vitórias é a evolução do futebol iraniano", garante Carlos Queiroz.

Para além das quatro seleções que representou, Carlos Queiroz treinou o Sporting, o NY/NJ Metro Stars, o Nagoya Grampus Eight e o Real Madrid

AFP/Getty Images

Portugal, Emirados Árabes Unidos, África do Sul e Irão. Carlos Queiroz já passou pelo comando técnico de quatro seleções nacionais e é na que orienta atualmente, a iraniana, que vive um dos percursos de maior sucesso da carreira. O treinador português qualificou a seleção asiática para dois inéditos Mundiais consecutivos (2014 e 2018) e para duas Taças da Ásia (2015 e 2019) e é visto no país, onde está desde 2011, como uma espécie de herói nacional. A 16 de outubro, há mais de um mês, Carlos Queiroz alcançou durante um particular com a Bolívia uma marca assinalável: as 100 vitórias ao serviço de seleções nacionais.

O treinador português – que além das quatro seleções principais treinou ainda os sub-16 e sub-20 portugueses, o Sporting, o NY/NJ Metro Stars, o Nagoya Grampus Eight, o Real Madrid e foi ainda adjunto de Mário Wilson no Estoril-Praia e de Alex Ferguson durante dois períodos distintos no Manchester United – já ultrapassou mesmo as 100 vitórias, já que na passada quinta-feira a seleção iraniana bateu Trinidad e Tobago num jogo de preparação, em Teerão. Numa conferência de imprensa na capital do Irão, antes de partir para o Qatar, onde vai disputar outro particular com a Venezuela, Carlos Queiroz comentou o feito atingido em outubro e atribuiu grande parte da responsabilidade à seleção iraniana.

“Não tem sido um percurso fácil, trata-se de algo que me deixa certamente muito orgulhoso e feliz, mas mais importante para mim é referir a forma como estou grato ao Irão e à seleção iraniana pela forma como me ajudaram a alcançar este registo na minha carreira. Este registo só me dá mais motivação e responsabilidade para melhorar todos os dias, para evoluirmos e para podermos alcançar os nossos objetivos na Taça da Ásia que está aí à porta”, disse o treinador de 65 anos, que está atualmente a preparar a seleção do Irão para a Taça da Ásia, que arranca a 5 de janeiro nos Emirados Árabes Unidos, e que foi nas últimas horas apontado como o grande favorito para assumir o comando técnico da Colômbia.

Quando era selecionador da África do Sul, com Nelson Mandela, em 2000

Sobre o torneio asiático, onde vai encontrar adversários como a Coreia do Sul, o Japão, a Austrália ou a Arábia Saudita, Carlos Queiroz reconheceu que “não será fácil” mas garantiu que irá colocar “toda a experiência ao serviço do futebol iraniano” para alcançar “um lugar de honra” na Taça da Ásia. “Se sabemos as dificuldades que temos, também sabemos quem somos e o que queremos fazer. Em 2011, quando chegámos, parecia o fim do mundo quando um dos jogadores mais importantes não podia representar a seleção. Hoje temos uma equipa consistente, com outra profundidade de soluções em todos os setores”, acrescentou o treinador, para depois voltar a referir que “mais importante do que as vitórias” é a “evolução do futebol iraniano”. “Parabéns aos jogadores e ao futebol iraniano pela fantástica evolução operada nestes anos”, concluiu Queiroz.

Enquanto treinador principal, Carlos Queiroz ganhou o Campeonato da Europa sub-16, com Portugal, os Campeonatos do Mundo de sub-20 em 1989 e 1991, também com a seleção portuguesa, uma Taça de Portugal e uma Supertaça Cândido de Oliveira com o Sporting e ainda uma Supertaça de Espanha, com o Real Madrid (para além de ter levado o Nagoya Grampus Eight à final da Taça das Taças Asiática de 1997). O treinador português conquistou ainda três títulos da Premier League, uma Supertaça Inglesa, uma Taça de Inglaterra e uma Liga dos Campeões enquanto adjunto de Ferguson em Old Trafford.

Após cerca de um ano ao serviço da seleção dos Emirados Árabes Unidos – e já depois de ser convidado para treinar a seleção mundial da FIFA e para ser consultor técnico da Federação de Futebol de Moçambique -, Carlos Queiroz aceitou em 2000 o desafio de treinar a África do Sul, que conseguiu qualificar para o Mundial de 2002. Foi o escolhido para substituir Luiz Felipe Scolari na Seleção Nacional em 2008 e conseguiu o apuramento para o Mundial de 2010 (onde Portugal caiu nos oitavos de final diante de Espanha). Chegou ao Irão em 2011 e apurou a seleção asiática para o Mundial 2014, tornando-se apenas o terceiro treinador de sempre a qualificar três seleções diferentes para fases finais de Campeonatos do Mundo.

Repetiu a façanha em 2018 e conseguiu um segundo apuramento inédito para os iranianos: na Rússia, ficou no grupo de Portugal e esteve à beira de surpreender e roubar a vaga nos oitavos de final aos portugueses. No mês passado, Carlos Queiroz chegou às 100 vitórias e é agora o sétimo treinador de sempre com mais resultados positivos ao leme de seleções.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mfernandes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)