Facebook

Facebook lança guia para a cidade de Lisboa

135

O Facebook juntou 25 comunidades lisboetas da rede social para lançar um guia em papel, que também está disponível online, com sugestões para quem visita e vive em Lisboa.

Os líderes de comunidades do Facebook focadas em Lisboa, como o João Guerreiro, Helena Aguiar, André Rodrigues e Jaime Santos

Facebook

Numa época em que as fake news [notícias falsas] e os perfis falsos atormentam o futuro do Facebook, a empresa continua a apostar numa das componentes mais fortes que criou: as comunidades da plataforma. Agora, a rede social criada por Mark Zuckerberg escolheu Lisboa para lançar o segundo guia turístico — por ter sido distinguida como “European Leading City Destination” pela World Travel Awards, em 2018. As sugestões e textos do “Lisboa Tradicional, Lisboa Trendy”, lançado esta quarta-feira, foram feitos pelos grupos da rede social dedicados à capital, como “Pela Reactivação do Eléctrico 24“, o “Startup Portugal” e o “Conta-me Histórias, Lisboa“.

“Lisboa é a primeira capital a ter este tipo de guia”, contou ao Observador Lola Banos, responsável de comunicação do Facebook para a Península Ibérica (o primeiro guia deste género foi lançado em junho, em Sevilha). Para já, “o Facebook está a explorar oportunidades e falar com entidades de turismo para o disponibilizar a mais pessoas o guia”, mas qualquer pessoa já pode aceder ao PDF deste em português e inglês, pela internet.

A rede social está apostar no formato em papel, porque “muitas vezes os viajantes não têm acesso a dados móveis ou Wi-Fi”, explicou a responsável. Quanto à razão de lançar estes guias gratuitos com sugestões sobre as cidades em Espanha e Portugal, Lola Banos conta que foi por “as pessoas de Sevilha e Lisboa mostrarem que gostam bastante da cidade através das comunidades Facebook”.

Lola Banos, responsável de comunicação do Facebook para a Península Ibérica, assume que o objetivo deste guia com sugestões de grupos da plataforma é chegar a mais pessoas através de parceiros e entidades em Portugal que promovam o turismo

Na apresentação, que decorreu no Terreiro do Paço, estiveram quatro líderes de grupos do Facebook sobre a cidade de Lisboa. João Guerreiro, que criou o grupo da rede social responsável por reativar a circulação do elétrico 24, conta que foi devido à rede social que conseguiu mobilizar interesse em torno da sua causa. João, que passou pelos problemas que a rede social enfrenta, assume: “houve diversos casos em que houve perfis falsos criados para desconstruírem argumentos”. Mas este lisboeta, que contribuiu com sugestões para os turistas visitarem a cidade, diz que “o Facebook dá ferramentas [para controlar o fenómeno em grupos].

No fim, o resultado deste pequeno guia que junta as sugestões de 25 grupos sobre Lisboa da plataforma, é uma apresentação da cidade “pelos olhos das próprias comunidades”. Para já, vai continuar a estar disponível gratuitamente pela Internet e no posto de turismo de Lisboa do Terreiro do Paço, o “Lisbon Story Centre”. Até 25 de novembro, neste espaço, há uma exposição de fotografias de Manuel Gomes da Costa, que tirou as fotografias para o guia, com as histórias e sugestões dos grupos que contribuíram para o “Lisboa Tradicional, Lisboa Trendy”.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mmachado@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)