Religião

Islamofobia e ódio religioso aumentam no Ocidente, conclui relatório

1.293

No relatório sobre Liberdade Religiosa, a Rússia vem, pela primeira vez, no grupo dos países mais problemáticos e a Coreia do Norte é "provavelmente o pior país do mundo". Portugal está a melhorar.

Getty Images

A islamofobia e o ódio religioso aumentaram nos países ocidentais nos últimos dois anos, conclui a edição de 2018 do relatório Liberdade Religiosa no Mundo, realizado pela Fundação Ajuda à Igreja que Sofre e que é apresentado esta quinta-feira.

Segundo as conclusões apresentadas no sumário executivo do relatório, o “recrudescimento dos ataques extremistas na Europa e noutras partes do Ocidente, motivados, em parte, pelo ódio religioso”, sugere que “a ameaça do extremismo militante está a tornar-se universal, iminente e sempre presente” e pode ser “apelidada de terrorismo de proximidade”.

O relatório aponta ainda para o facto de a crise migratória em curso estar a contribuir para o aumento da islamofobia no Ocidente e revela que “a maioria dos governos ocidentais falhou em dar a assistência urgentemente necessária aos grupos religiosos minoritários, em especial às comunidades deslocadas que desejam regressar a casa”.

O documento analisa a situação da liberdade religiosa em 196 países e conclui que há 38 nações no mundo onde existem “violações significativas da liberdade religiosa”. Destes, 21 estão classificados na categoria “Perseguição” (onde as minorias religiosas são perseguidas por uma religião maioritária) e 17 na categoria “Discriminação” (onde os próprios estados discriminam as minorias religiosas).

O mapa dos países onde existem “violações significativas” da liberdade religiosa. A vermelho, a categoria “Perseguição”; a laranja, a categoria “Discriminação” (Fonte: Fundação AIS)

Segundo o relatório agora apresentado, que se reporta ao período entre 2016 (data do último relatório) e 2018, houve um “declínio especialmente acentuado” da liberdade religiosa na China e na Índia. Já num outro conjunto de países, como Coreia do Norte, Arábia Saudita, Iémen e Eritreia, “a situação já era tão má que dificilmente poderia piorar”.

Ao mesmo tempo, dois países entraram pela primeira vez no grupo dos que têm violações significativas da liberdade religiosa: Rússia e Quirguistão.

Estas conclusões podem ser lidas à luz do fenómeno crescente do “nacionalismo agressivo, hostil às minorias religiosas”, que se agravou ao ponto de “poder ser chamado de ultra-nacionalismo”. Como se lê no documento, “a intimidação violenta e sistemática dos grupos religiosos minoritários levou a que fossem considerados como estrangeiros desleais e uma ameaça para o Estado”.

Não obstante o crescimento da islamofobia e da discriminação de muçulmanos na Europa, o relatório aponta que é nos hiper-extremistas islâmicos que está a origem de grande parte das situações de violência e intolerância religiosa no mundo e sublinha ainda que “o sucesso das campanhas militares contra o Daesh e outros hiper-extremistas escondeu a propagação de movimentos islamitas militantes em regiões de África, do Médio Oriente e da Ásia”.

Outra das conclusões mais preocupantes do relatório é a “extensão do abuso sexual de mulheres por grupos e indivíduos extremistas em África, no Médio Oriente e em partes do subcontinente indiano”, que têm aumentado.

No que toca aos casos mais graves, a Coreia do Norte é descrita como “provavelmente o pior país do mundo para a liberdade religiosa”, onde existe uma “recusa sistemática de cada preceito” dessa liberdade. “Pensa-se que 25% dos cristãos estejam em campos de detenção”, acrescenta o documento.

Outro caso grave é o das Maldivas, onde, por lei, apenas os muçulmanos podem ter cidadania do país, onde a importação de Bíblias foi proibida e onde é proibida qualquer tipo de evangelização não muçulmana. Já na Mauritânia, a renúncia ao Islão e a blasfémia são punidas com a pena de morte.

Portugal reforça liberdade religiosa

No capítulo dedicado a Portugal, o relatório destaca que não houve “casos significativos de discriminação por razões religiosas ou abusos de liberdade religiosa que possam ser imputáveis ao Estado ou a outras entidades, nem se perspetivam num horizonte temporal próximo, tensões sociais, económicas ou políticas que façam prever uma alteração desta situação”.

O relatório sublinha até que “a questão da liberdade religiosa ou da perseguição às comunidades cristãs” poderá “vir a ganhar um protagonismo assinalável”, uma vez que as instituições públicas têm dado cada vez mais atenção a esse problema — quando, por exemplo, deputados portugueses escreveram ao embaixador do Paquistão em Lisboa exigindo a libertação de Asia Bibi, a cristã condenada à morte por blasfémia naquele país.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jfgomes@observador.pt
Empresas

Accionista e operador de máquinas: bons amigos?

Rui Esperança

A perpetuação do modelo da melhoria dos resultados das empresas à custa dos salários baixos e do consequente enriquecimento dos accionistas tem de mudar. Sem as pessoas, as empresas são pouca coisa.

Abusos na Igreja

Mr. McCarrick, I presume? /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

Quando a Igreja castiga os clérigos pedófilos, com o máximo rigor que a lei canónica permite, age de acordo com o exemplo e a doutrina do seu divino Mestre.

África do sul

África do Sul – Que Futuro?

Jaime Nogueira Pinto

Em vésperas de eleições, a República da África do Sul vive dias instáveis, entre a democracia e a cleptocracia. E radicalização de um ANC em quebra eleitoral pode por em causa os equilíbrios do regime

Governo

A famiglia não se escolhe? /premium

Alberto Gonçalves
364

Se ainda não se restringiu o executivo aos parentes consanguíneos ou afins do dr. Costa, eventualidade que defenderia com empenho, a verdade é que se realizaram amplos progressos na área do nepotismo

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)