Centro Cultural De Belém

CCB vai ter hotel de luxo e espaços comerciais. Obras vão custar 65 milhões

O projeto de ampliação do CCB, que inclui um hotel de cinco estrelas e lojas de pequeno comércio, vai mesmo andar para a frente. Obras vão custar 65 milhões e o investimento é privado.

O CCB vai receber um hotel de cinco estrelas e várias lojas de pequeno comércio

TIAGO PETINGA/LUSA

Em janeiro de 2017, Elísio Summavielle, presidente do Centro Cultural de Belém, anunciava, numa entrevista ao Público e à Renascença, que o CCB ia ter um hotel de cinco estrelas e mais lojas. A expansão foi agora oficializada numa conferência de imprensa realizada esta quarta-feira de manhã.

As obras em causa, previstas para durar três anos, serão financiadas por privados. O concurso público internacional arranca já amanhã — os dois novos blocos (os módulos 4 e 5) vão ser concessionados por 50 anos, renováveis, a quem fizer a melhor oferta. Durante o período de concessão, a Fundação CCB vai receber um mínimo de 900 mil euros anuais. O projeto lançado em meados dos anos 1980 deverá custar 65 milhões de euros.

O hotel de “quatro a cinco estrelas”, como escreve o Expresso, estará voltado para o rio Tejo, com a entrada a situar-se na Avenida de Brasília. O edifício previsto receber os escritórios e as lojas “de pequeno comércio” ficará virado para a Rua Bartolomeu Dias.

O hotel e a galeria comercial, com construção adiada desde há 25 anos, são da autoria dos arquitetos Vittorio Gregotti e Manuel Salgado (atual vereador do Urbanismo em Lisboa) e foram desenhados em 1989. Elísio Summavielle fez esta quarta-feira o anúncio público do empreendimento CCB New Development, que está previsto desde a inauguração do espaço, iniciando-se assim a plena concretização do projeto inicial “Cidade Aberta”, preconizado por Gregotti e Salgado.

Desde janeiro do ano passado, altura em que ficou claro o interesse em terminar o projeto em questão, que vários grupos hoteleiros e empresas de promoção imobiliária já manifestaram interesse.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: acmarques@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)