Sinatra, um husky siberiano que tinha desaparecido da casa onde vivia com os donos em Nova Iorque, apareceu em Tampa, na Flórida, ao fim de 18 meses. Pelo meio, o cão de pelo em tons de castanho e branco percorreu um total de 1.100 milhas (o equivalente a cerca de 1.770 quilómetros) até ser levado de volta a Brooklyn pela família que o encontrou.

Segundo o The Independent, foi Rose Verill, uma menina de 13 anos, que o encontrou perdido e acolheu. Com a ajuda dos pais, tentou localizar a origem do cão através do chip de identificação, embora o número de telefone a que o dispositivo estava associado não fosse o dos donos de Sinatra.

Preocupada com a origem do animal, a família fez um anúncio no Facebook que os levou a encontrar Lesmore Willis, com quem entraram em contacto de imediato por dizer que era o dono original. Os Verill confirmaram as alegações de Willis, uma vez que este lhes mandou fotos que tinha tirado a Sinatra antes de o perder e por ter indicado que o cão tinha um problema numa das suas patas, algo que a família tinha também confirmado.

A BBC avança ainda que a chegada de Sinatra a casa ficou marcada por um momento triste pois o husky não pode ver a sua dona Zion, de 14 anos, que foi vítima de um acidente doméstico com armas de fogo, meses após o desaparecimento do seu cão. Sinatra, contara depois, era especialista em aproveitar descuidos com as portas por onde se escapulia quando as apanhava abertas: desapareceu em março de 2017 num dia em que a família deixaram o portão de casa aberto. Família ainda pensou que regressasse ao fim de uma hora, mas a verdade é que tiveram de esperar 18 meses para o ter de volta a casa.